Ministro quer usar dispositivo para multa por alta velocidade

Idéia é flagrar excesso medindo tempo que veículo leva para percorrer trecho entre antenas de monitoramento

O Estadao de S.Paulo

03 Outubro 2007 | 00h00

O ministro das Cidades, Márcio Fortes, disse que, no futuro, espera ver os chips sendo usados para multar motoristas por excesso de velocidade em todo o País. Isso seria feito com base na velocidade média de um veículo entre uma e outra antena de monitoramento. "Pela velocidade média entre os pontos pode-se ver quem passou além da velocidade máxima permitida." Fortes esteve ontem no evento que marcou a assinatura do convênio entre Estado e Prefeitura. O ministro representou o governo federal no passo inicial para a adoção do Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos (Siniav). "Acho uma grande vantagem essa questão de controlar a velocidade", disse o ministro, que perdeu um filho de 23 anos, vítima de acidente no trânsito. "Com antenas espalhadas pela cidade, o motorista vai ter sempre de respeitar a velocidade e perder o hábito de só diminuir a velocidade quando o veículo passa por um radar. " O consultor de trânsito Horácio Augusto Figueira disse aprovar a utilização do Siniav para controlar a velocidade dos veículos. Segundo ele, o chip é uma ferramenta eficaz para isso. "Acho ótimo. Prefiro ver o aumento de multas por excesso de velocidade do que aumentos nas estatísticas de mortos e inválidos no trânsito." MUDANÇA NA LEGISLAÇÃO Para que veículos sejam multados por excesso de velocidade com base nas informações captadas pelas antenas, é preciso haver uma regulamentação do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Atualmente, a infração só pode ser detectada por equipamentos metrológicos - como radares e lombadas eletrônicas. Os chips por sua vez, têm como finalidade apenas identificar o veículo. "Devemos mexer na legislação. Com isso, poderemos substituir os radares e outros equipamentos, que serão dispensáveis", disse o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.