Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » 'Morte do cinegrafista demarca um limite', diz antropólogo Roberto DaMatta, colunista do Estado

Brasil

'Morte do cinegrafista demarca um limite', diz antropólogo Roberto DaMatta, colunista do Estado

Colaborador do 'Caderno 2' avalia significado do caso para a sociedade e para o futuro das manifestações

0

O Estado de S. Paulo

11 Fevereiro 2014 | 10h09

A morte do cinegrafista Santiago Andrade, atingido por um rojão na quinta-feira, 6, durante um protesto no Rio, aprofundou a discussão sobre a legitimidade do uso da violência por manifestantes em protestos. Abaixo, o antropólogo Roberto DaMatta reflete sobre questões-chave levantadas após o incidente com o profissional da Band: 

1.O que pode significar para os movimentos sociais a morte do cinegrafista?

Os movimentos sociais continuam. Eles são parte integral das democracias liberais e, como tal, são um apanágio da liberdade de expressão. Agora, a morte do cinegrafista demarca um limite. Significa que todo exercício de liberdade obriga à responsabilidade porque ela se regula em relação à liberdade dos outros. Todo ativismo produz outros ativismos. Para que todos sejam legítimos, eles não podem se matar mutuamente. A morte é o limite neste nosso mundo. E a morte de um profissional da imprensa deve mudar a conduta dos manifestantes e de um certo tipo de ativismo que atua destruindo e não criticando as chamadas grandes corporações, o consumismo, e o capitalismo globalizado. A morte deve ser tomada como um aviso. A violência é uma ausência de diálogo e de mediação. E uma das mensagens mais fortes das manifestações é exatamente chamar a atenção para algum problema para que seja corrigido ou evitado. Não é com violência e com morte que se consegue isso.

2. Os black blocs ainda têm legitimidade?

Terão legitimidade se tirarem as máscaras. Numa democracia, como num jogo de futebol, o adversário é visível e claro. O outro time não usa máscaras. A máscara é o signo da corrupção, da covardia, da irresponsabilidade e da tentativa de ser violento impunemente.

3. Qual a alternativa para a sociedade civil lutar pelos seus direitos sem violência?

A democracia se entende como tal exatamente pela crença e pelo ideal segundo o qual é possível resolver questões sociais e políticas pacificamente, sem o enfrentamento brutal e destrutivo que causa danos e, no caso em pauta, leva ao fim e à morte. Ser democrata é ser capaz de sair de si mesmo e ver o outro. Mesmo quando não concordamos com esse outro.

Mais conteúdo sobre: