1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Motoristas de caminhões de coleta e ambulâncias param em Goiânia

Marília Assunção - Especial para O Estado

28 Maio 2014 | 18h 38

Outros funcionários como agentes de trânsito, servidores da Guarda Municipal e professores da rede municipal já estavam em greve e permanecem paralisados

GOIÂNIA - Três categorias profissionais - agentes de trânsito, servidores da Guarda Municipal e professores da rede municipal - permanecem em greve em Goiânia. Nesta terça-feira, 28, pararam também os serviços de motoristas que dirigem caminhões de coleta e ambulâncias locados para órgãos municipais. A frota foi recolhida.

Eles foram demitidos pela empresa que locava uma frota de quase 500 veículos para a prefeitura de Goiânia. A empresa alega que está há 11 meses sem receber. Os caminhões eram usados para a coleta de entulhos, indicando que a limpeza pode ser afetada a partir desta quarta, 29.

Esta semana, cerca de 40 agentes de trânsito lavaram com escovas e sabão a calçada da Secretaria Municipal de Trânsito. Depois, eles jogaram sal grosso. A categoria está em greve desde o dia 9 de maio e os serviços estão sendo afetados, já que apenas 30% do efetivo está trabalhando.

Mergulhada em uma crise, sob risco de atrasar a folha de pagamento, a Prefeitura de Goiânia reconhece a dificuldade econômica e vem divulgando que está negociando com todos os setores envolvidos. Na Câmara Municipal, o vereador Elias Vaz (PSB) afirmou em plenário que a dívida da Prefeitura, só com fundos de saúde, meio ambiente e habitação, é estimada em R$ 70 milhões.

  • Tags: