MP denuncia 16 por lavagem de dinheiro no Rio

Justiça autorizou quebra de sigilo bancário, bloqueio das contas correntes e sequestro dos bens registrados em nome dos réus.

Central de Notícias,

29 Março 2011 | 10h18

SÃO PAULO - O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro rastreou os bens e valores movimentados por uma quadrilha de traficantes de Resende, no Sul Fluminense, e denunciou 16 pessoas pelo crime de lavagem de dinheiro.

 

A denúncia foi recebida pelo Juízo da Vara Criminal da Comarca de Resende. A Justiça atendeu aos requerimentos do Gaeco de quebra de sigilo bancário, bloqueio das contas correntes e sequestro dos bens registrados em nome dos réus.

 

Além de nove réus que já respondem a uma ação penal pelo crime de associação para o tráfico, o MP identificou outros "laranjas" utilizados no esquema. Com exceção da mãe do suposto traficante Denilson Benaqui Cortat, Maria Auxiliadora Benaqui Cortat, todos foram denunciados também pelo crime de quadrilha. Além dela, pelo menos seis outros denunciados têm alguma relação de parentesco com Denilson.

 

De acordo com a denúncia, a quadrilha movimentava pelo menos dez contas bancárias em sete bancos diferentes. O grupo tinha criado diversas empresas em Resende e Quatis, sendo que a investigação identificou a Drogaria Benaque e Dinis Ltda. (nome fantasia ABC Farma), de Quatis, a Dois Irmãos Autopeças Ltda. e a Verona Autopeças Ltda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.