1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

MP pede nova indenização de R$ 5 bi a mineradoras

- Atualizado: 03 Fevereiro 2016 | 19h 57

Ação pede a condenação de Samarco, Vale e BHP Billiton por 'dano social punitivo' a vítimas do rompimento de barragem em MG

O Ministério Público Estadual (MPE) na comarca de Ponte Nova, região atingida pela lama da Samarco, acionou a Justiça com uma ação civil pública contra a mineradora e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, para o pagamento de indenização a vítimas da tragédia nos municípios de Barra Longa, Rio Doce e Santa Cruz do Escalvado.

A ação pede a condenação das empresas ao pagamento por dano moral coletivo no valor mínimo de R$ 500 milhões, e mais R$ 5 bilhões por “dano social punitivo”. 

Os valores, conforme o pedido do MPE, deverão ser divididos entre os municípios “na proporção do volume de danos causados a cada um e depositados em um fundo específico, de forma a garantir que impliquem medidas compensatórias nas comunidades atingidas, que melhorem a qualidade de vida da população”. A ação pede também indisponibilidade de bens das empresas no valor de R$ 1 bilhão, em dinheiro. 

Lama de barragem polui cursos d'água e ameaça subsistência
GABRIELA BILÓ/ESTADÃO
Lama de barragem polui cursos d'água e ameaça subsistência

Guiando um barco com motor de popa, o pescador Eli da Silva Soares, o Paco, de 38 anos, percorre com cautela parte da região afetada e tem olhos aguçados para apontar de longe peixes que agora flutuam mortos na superfície do rio

Conforme os promotores, o total de atingidos na região seria de 1.350 pessoas. Com o valor total requisitado seria possível pagar até R$ 200 mil em danos morais individuais e até R$ 400 mil para cobertura de bens materiais a famílias.

“Com isso se visa a evitar o risco de que ações judiciais de outros entes ou com outro escopo, ou mesmo de que acordos extrajudiciais que não contam com a participação dos atingidos, acabem por minar a capacidade econômica das rés de fazerem frente ao que é mais urgente: o ser humano e suas necessidades”, afirmam os promotores.

O MPE requisitou também, em caráter liminar, “o pagamento, a título de verba de manutenção temporária, para cada família atingida, que tenha sido desalojada ou tenha tido repercussão econômica com o evento, o valor de um salário mínimo mensal acrescido de 30% por dependente”. 

Em nota, a Samarco informou que não foi notificada oficialmente sobre a ação civil pública movida pelo Ministério Público, mas reitera que continua aberta ao diálogo com as comunidades afetadas ao longo do Rio Doce e com as autoridades.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX