MS tem situação mais tensa do Centro-Oeste

Promotor não descarta um efeito dominó aos moldes dos embates sangrentos que aconteceram em presídios do Amazonas e Roraima

Fátima Lessa e Julio Cesar Lima, Especiais para o Estado

08 Janeiro 2017 | 05h00

A Região Centro-Oeste também está sob o domínio, dentro e fora do sistema prisional, das duas maiores facções criminosas do País, o Comando Vermelho (CV) e o Primeiro Comando da Capital (PCC). Para o promotor do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado em Mato Grosso (Gaeco/MT) Samuel Frungilo, a presença maior é do Comando Vermelho, embora o PCC esteja presente em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Frungilo não descarta um efeito dominó aos moldes dos embates sangrentos que aconteceram na semana passada em presídios de Manaus (AM) e Boa Vista (RR). “Em Mato Grosso é menor a possibilidade, mas não impossível. Nos outros Estados da região, especialmente Mato Grosso do Sul, a situação é mais grave.”

Sul. Na Região, o PCC tem sido a facção criminosa mais forte e atuante no Paraná. Já no Rio Grande do Sul a facção paulista não demonstra o mesmo fôlego. Os grupos Bala Na Cara, Antibala, Manos e Abertos ocuparam recentemente o noticiário por disputas de pontos de drogas na capital. Em Santa Catarina, o Primeiro Grupo Catarinense (PGC) tenta fazer frente ao PCC, com incursões a outros países. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.