Mulheres são presas por forjarem seqüestro de adolescente

A Polícia Civil de Pernambuco prendeu nesta sexta duas mulheres acusadas de forjarem o seqüestro de uma adolescente de 16 anos no município de Petrolina, no sertão do Estado. A auxiliar de enfermagem Norma Lúcia Alves da Silva e a empregada doméstica Izabel Cristina Alves Reis sedaram e esconderam a garota, que sofre de problemas mentais, em um pequeno cômodo localizado em cima do teto do banheiro social da residência da própria vítima. De acordo com a Polícia, as acusadas aproveitaram uma viagem dos pais da garota - que foram até a cidade de Salvador para realizar um tratamento de saúde - para colocar o plano em ação. Depois de misturar tranqüilizantes em um suco oferecido à menina as mulheres a esconderam e ligaram para parentes da vítima, informando que ela havia sido seqüestrada. Desconfiada, a avó da adolescente chamou a Polícia. Ao chegar no local, policiais ouviram gemidos, descobriram o esconderijo, resgataram a menina e prenderam as mulheres. Em depoimento, Norma - que trabalhava na casa da família há mais de 15 anos - disse à polícia que planejou o crime porque estava sendo ameaçada por um agiota. A doméstica Izabel explicou que só participou da ação porque Norma Lúcia teria ameaçado matar seu filho de 7 anos. Por motivo de segurança os pais da garota não deram entrevista e pediram para não serem identificados.

Agencia Estado,

03 Fevereiro 2006 | 18h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.