Músico da banda de Carlos Santana dá canja no carnaval de PE

O trombonista Jeff Cressman, que integra grupo de músicos que se dedicam à música brasileira nos EUA, participa de grupo de frevo

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

17 Fevereiro 2015 | 14h06

OLINDA - Trombonista da banda do multi-instrumentista e compositor mexicano Carlos Santana, o norte-americano Jeff Cressman, 53 anos, integra, neste carnaval, a orquestra de frevo do Maestro Spok, o homenageado do carnaval do Recife e do 28 encontro de Bonecos Gigantes. O encontro é uma apoteose dos bonecos, com 100 deles desfilando nesta terça-feira, 17, pelas ruas da cidade histórica, acompanhados de quatro orquestras de frevo.

Cressman, sua mulher, a cantora Sandy Cresssman, 53, e o saxofonista John Croarkin, 62, completam o grupo de músicos da California Brazil Camp, que se dedica ao estudo e pesquisa da música brasileira, na Califórnia. Eles fazem sua estreia na folia pernambucana a convite de Spok. Em bom português, Sandy cantou "Madeira que o cupim não roi", tema do famoso e tradicional bloco lírico "Madeira do Rosarinho", no show que antecedeu a saída dos gigantes, nesta manhã, 17, no Largo do Guadalupe, em Olinda.

Emocionada, ela disse ter cantado com o coral feminino Edgar Moraes, do Bloco da Saudade, na abertura do carnaval recifense, no Marco Zero, na sexta-feira, 13, e todos estarão presentes ao encerramento oficial da festa, na madrugada desta quarta-feira, 18, como componentes do "orquestrão" do frevo, que arrasta os foliões pelas ruas do Bairro do Recife Antigo.

Felizes com a hospitalidade brasileira, Sandy, que se define como "cantora especializada em música brasileira", disse estar emocionada por participar da "viva" cultura pernambucana e brasileira. "Um encantamento", disse. Eles já conheciam o carnaval do Rio e de São Paulo. O vínculo com Spok nasceu de um curso de música dado pelo maestro na California Brazil Cap, em San Francisco. Sandy foi a tradutora.

Os 100 bonecos gigantes saíram do Guadalupe em torno das 11 horas e distribuem seus sorrisos largos em meio à multidão até à tarde.

Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
Carnaval

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.