Fabio Motta/ Estadão
Fabio Motta/ Estadão

'Não existe crime perfeito', diz mãe de Marielle Franco

Assassinato de vereadora faz dois meses nesta segunda-feira; pais de Marielle cobram resposta do Estado para o caso

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2018 | 12h03

RIO - No dia em que o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista, Anderson Gomes, completou dois meses, os pais dela, Marinete e Francisco Silva, participaram de um ato em frente à Secretaria de Segurança Pública do Rio cobrando uma resposta do Estado para o caso. A manifestação foi realizada na manhã desta segunda-feira, 14, pela Anistia Internacional. A organização lembrou que os crimes que vitimam defensores de direitos humanos no Brasil tradicionalmente caem no esquecimento e que os culpados ficam impunes. 

"Não existe crime perfeito", disse Marinete. "O que ela fez de tão grave para ter uma morte assim? Qual ameaça fazia à sociedade? Que tipo de democracia é essa? Quatro tiros na cabeça é muito ódio. Ela nunca fez mal algum. Não dá para entender como alguém teria uma motivação iminente. É uma dor muito grande. A gente não se conforma e não vai ser calar. Não dá para parar agora. Não faz sentido, depois de tudo o que a Marielle fez. Não por ter sido com uma parlamentar, mas pela maneira que arquitetaram. Tem um mentor."

+++ Vereadora assassinada no Rio iniciou militância após morte de amiga

Advogada de 66 anos, ela elogiou a condução das investigações pela polícia. "Estou confiante. Mas a gente está cobrando uma resposta. Precisamos de algo mais concreto. A gente não quer nenhum tipo de vingança, a família é católica. O corpo físico se foi, mas ela continua com a gente. Se não tivermos resposta dos homens, teremos a de Deus. Quem fez isso não é ser humano", afirmou. "É muito difícil vermos as imagens dela daquela dia. Ela estava com perfeita saúde, feliz. Dez minutos depois, não estava mais aqui".

A polícia investiga a participação de milicianos no caso, mas não vem divulgando os passos do inquérito. Só o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, dá declarações sobre o assunto. Uma testemunha (um ex-PM preso em Bangu por outros crimes) relatou que o crime foi encomendando pelo vereador Marcello Siciliano (PHS). Ele teria envolvimento com milícias da zona oeste do Rio, de acordo com o ex-PM. Com suas ações políticas, Marielle teria "atrapalhado" a atuação do grupo em favelas da região.

Marinete comentou a possibilidade de Siciliano (PHS) estar envolvido com os homicídios. "Meu coração de mãe pede que não seja ele. Seria mais dor. Uma traição. Alguém que via minha filha na Câmara... Eu conheci aquele rapaz lá. Da maneira que foi, é impossível não termos uma resposta." A mãe da vereadora lembrou que Marielle não afrontava diretamente milícias com sua ação parlamentar. "Eles não teriam nenhum motivo. É uma área (zona oeste) que ela não ia tanto. Não incomodava a ponto de alguém fazer algo tão brutal".

+++ Câmara do Rio vota sete projetos de lei apresentados por Marielle

Marinete contou que o domingo das mães foi de missa, na igreja Nossa Senhora de Inhaúma, perto de casa, e de recolhimento em casa, com a irmã de Marielle, Anielle, a filha dela, Luyara, de 19 anos, e a filha de Anielle, Mariah, de dois. "É um pedaço de mim que se foi. Eu criei aquela menina com muita luta. Para a Luyara foi ainda mais difícil, ela é uma criança grande." 

A mãe de Marielle vem recebendo apoio de outras mães que perderam filhos de forma violenta; muitas foram confortadas pela vereadora na Comissão de Direitos Humanos da Asssembleia Legislativa - ela coordenava o grupo antes de se eleger, em 2016. "Ela era um ser humano muito fraterno com as pessoas. Conversei com mães de policiais, mães de Acari, de Realengo, de Manguinhos. É muito gratificante saber como ela contribuiu. Só quem fala mal da minha filha é quem não a conheceu". 

+++ 'Quem matou e quem mandou matar Marielle?'

O pai de Marielle não consegue supor qual seria a motivação dos assassinos. "São 60 dias sem respostas: quem matou minha filha? Por que matou? Uma mulher desarmada, acompanhada de outra mulher e de um motorista, perseguida por quatro homens armados", disse. Ele afirmou que sua revolta crescerá caso se comprove que um vereador foi o mandante. "Se for confirmado, será uma indignação muito grande, uma decepção. Como alguém comete uma traição desse porte? É inadmissível".

Durante o ato, em frente à Central do Brasil, integrantes da Anistia Internacional seguraram cartazes com os dizeres "Quem matou Marielle?" e usaram máscaras com o rosto da vereadora. A coordenadora de pesquisa da Anistia, Renata Neder, explicou que o protesto não foi convocado para que a Seseg seja pressionada a encerrar as investigações, e sim para que se posicione publicamente sobre o caso. O Estado pediu um posicionamento nesta segunda-feira à Seseg e a resposta foi que não seriam divulgadas informações sobre a investigação.

"A investigação tem que ser bem feita. Se precisam de mais tempo, que levem mais tempo. Se está sob sigilo, não devem vazar informações", afirmou Renata. "Não adianta só identificar quem atirou, e sim quem ordenou e por que motivo. A gente não pede esclarecimentos sobre as investigações, mas um compromisso das autoridades de que esse caso é prioridade e que o devido processo legal será seguido. Historicamente, os assassinatos de defensores de direitos humanos no Brasil não são investigados, ou então levam anos até o julgamento".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.