''Não posso falar mais nada, estou nervosa''

Aquela mulher de cabelos brancos, amparada pelos filhos, clama por "direito à memória e à verdade". Aos 79 anos, Ilda da Silva, viúva do guerrilheiro Jonas, voltou ao cemitério de Vila Formosa. Tímida, vestida em uma camiseta que traz no peito o nome do companheiro, ela ficou contemplando o vaivém dos peritos da PF sobre a terra revolvida e ouviu a ministra Maria do Rosário. "Ela explicou tudo direitinho. Foi uma emoção muito grande. Eu não posso falar mais nada, eu estou nervosa."

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

23 Março 2011 | 00h00

Falou dos mortos que a repressão não entregou a seus entes e que a história rotulou desaparecidos. "Eles ficaram todos esquecidos. Não ligaram para encontrar os desaparecidos."

Jonas teria hoje 76 anos. "Não pode por uma pedra em cima do passado", protesta Virgílio, engenheiro mecânico, um dos quatro filhos. "Essa pedra é muito pesada. Existe uma dívida do Estado e das pessoas que ainda estão aí, ocupando cargos públicos."

"Sinto que meu pai está ressuscitando a cada dia", disse Isabel Maria, professora, que tinha 4 meses de idade quando o pai foi arrastado pelos agentes dos porões e ela foi junto. "Estava morto e desaparecido, mas agora acho que ele está voltando."

São peritos da medicina forense do Instituto Nacional de Criminalística (INC) da PF que buscam identificar a ossada que seria de Jonas. Essa etapa da missão está sendo realizada no Instituto Médico Legal de São Paulo. Depois, o exame de DNA. "Os restos mortais que estamos examinando são compatíveis com os de Virgílio", disse Jéferson Evangelista Correa, chefe da equipe federal. "Do ponto de vista antropológico há compatibilidade, medidas, estatura, características físicas, ósseas e dentárias. Mas para a conclusão vamos extrair material genético e confrontar com o banco de dados da Secretaria de Direitos Humanos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.