Negociações com adolescentes rebelados são suspensas

Quinze pessoas continuam como reféns dos internos do município de Cariacica (ES) desde a tarde de terça

Ricardo Valota, da Central de Notícias,

18 Novembro 2009 | 03h19

Foram suspensas as negociações entre a Polícia Militar e os 30 adolescentes rebelados da Unidade de Internação Socioeducativa (Unis) localizada no bairro de São João Batista, em Cariacica (ES), na Grande Vitória. Os internos reivindicam visitas íntimas e exigem a liberação de alimentos trazidos por familiares dentro dos chamados "malotes". Um dos agentes educativos levou uma pancada na cabeça logo no início do motim. Depois de liberado, foi medicado e passa bem.

 

O motim teve início às 15 horas desta terça-feira, 17, no momento em que integrantes da banda de congo "Amores da Lua", todos idosos, participavam de uma confraternização do Dia Nacional da Consciência Negra. Entre agentes educativos, professores, pedagogos e músicos da banda, o total de reféns chegou a 31. Água e luz foram cortados da unidade, mas, com a liberação gradual dos reféns, o religamento foi feito. Alguns colchões foram incendiados pelos adolescentes no início do motim. Às 2h15 desta quarta-feira, eram 15 os reféns, entre eles agentes, professores e integrantes da banda.

 

"Os policiais não chegaram a entrar na unidade, mas acompanham de perto. Caso os rebelados aceitem liberar mais pessoas retomaremos as conversas; caso contrário as negociações serão retomadas ao amanhecer. Os internos estão recolhidos e a situação agora é calma", afirmou o tenente Edson Rodrigues Pires, do Grupo Especial Prisional (GEP) da Polícia Militar. A Unidade de Internação Socioeducativa (Unis) atende adolescentes de ambos os sexos, na faixa etária de 12 a 18 anos e, em casos expressos em Lei, até 21 anos.

Mais conteúdo sobre:
internos Cariacica rebelião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.