No primeiro dia, programa distribui mil cartelas de pílula

Balanço conta as cartelas do medicamento distribuídas entre 8 e 17 horas

Elvis Pereira, do estadao.com.br, e Thalita Pires, do JT

11 Julho 2007 | 18h45

Em torno de mil cartelas de anticoncepcionais foram retiradas por 330 mulheres nas farmácias do Dose Certa no primeiro dia de distribuição gratuita do medicamento em São Paulo. O balanço, divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde, corresponde ao movimento entre 8 e 17 horas. O número superou a expectativa da pasta, que antes contabilizava a entrega de cerca de 160 cartelas por dia. A procura pelo medicamento, segundo a secretaria, ocorreu no período da manhã nas farmácias mais periféricas. Há 20 pontos de distribuição situados em estações de metrô, trem e ônibus e unidades de saúde. Em nota divulgada pela secretaria, o secretário Luiz Roberto Barradas Barata considerou o balanço positivo. "Mostra que as mulheres aprovaram o projeto. Não houve filas mesmo com a grande procura, proporcionada principalmente pela ampla divulgação na mídia", disse ele. As interessadas em retirar o medicamento devem apresentar receita da rede médica da rede pública com o os princípios ativos da pílula - etinilestradiol 0,03 mg e levonorgestrel 0,15 mg. Em agosto, as mulheres também poderão receber gratuitamente nas farmácias a pílula do dia seguinte. A recepcionista desempregada Adriana Medina aproveitou o primeiro dia do programa para testar o serviço. Ela pegou uma cartela de pílula na estação Barra Funda do Metrô. "Sempre pego o remédio para pressão da minha mãe no metrô. Aí ela me disse que lá estavam dando a pílula também. Como passei no médico, pedi a receita para ele. Eu sempre comprava, porque é barata (mais ou menos R$ 4,00). Mas como estou desempregada, é bom que vou economizar", diz a jovem, que está noiva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.