No Rio, papelotes em quartel

A Corregedoria da Polícia Militar do Rio abriu um Inquérito Policial-Militar (IPM) para investigar a apreensão de papelotes de cocaína escondidos no 12.º Batalhão, em Niterói. O material, que ainda será periciado para confirmação de sua composição química, estava dividido em quase 1.200 papelotes e foi encontrado na sala do Serviço Reservado do batalhão. Uma parte dos papelotes estava escondida numa espécie de baú e a outra, dentro de monitores de computadores antigos. A quantidade total de droga apreendida no batalhão pode chegar a meio quilo de cocaína, cujo valor estimado é de R$ 3 mil. O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, pediu uma apuração rigorosa do caso e o comandante-geral da PM, coronel Ubiratan Ângelo, determinou a abertura do inquérito. Oito policiais que estavam de plantão serão investigados, entre eles três oficiais, um capitão e dois tenentes. Eles já prestaram depoimento e foram liberados. O IPM terá prazo de 40 a 60 dias para apontar os responsáveis pelo estoque da droga.

Alexandre Rodrigues, O Estadao de S.Paulo

13 Outubro 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.