No RS, 36 cidades já decretaram estado de emergência

Número de desalojados pelas enchentes em todo o Estado subiu para 9,5 mil; mau tempo ainda não deve passar

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2009 | 19h25

Em São Gabriel, ruas alagadas e casas tomadas pela água. Foto: Wilmar Castro/Agência RBS

 

PORTO ALEGRE - Depois de recuar para 4,5 mil no domingo, o número de desalojados pelas enchentes no Rio Grande do Sul subiu para 9,5 mil nesta segunda-feira, à medida em que as prefeituras de municípios atingidos por enchentes passaram a enviar dados à Defesa Civil. Cerca de 8,5 mil pessoas estão em casas de amigos e parentes, enquanto cerca de mil buscaram abrigo em ginásios e salões comunitários.

 

Veja também:

linkEm 12 horas, chove o esperado para o mês no RS

 

Conforme a Defesa Civil previa, o número de municípios em situação de emergência também deu um salto nesta segunda-feira, para um total de 36, com a chegada de oito novos decretos, entre os quais os de Alegrete, Quarai, Cachoeira do Sul e Maquiné, esta no litoral norte do Estado.

 

A situação mais grave é no sudoeste do Estado, onde houve chuvas torrenciais no domingo e também na manhã desta segunda-feira. Em Quaraí, onde o volume de precipitação chegou a 88 milímetros, equivalentes a 80% da média do mês, o rio Quaraí subiu 11 metros e deixou 400 famílias desabrigadas. Em Alegrete, a cheia do Rio Ibirapuitã forçou outras 200 famílias a saírem de suas casas. Em Jaguarão, no sul, 30 famílias foram removidas para abrigos municipais.

 

No lado uruguaio também há registros de centenas de desabrigados em cidades como Rio Branco, Artigas e Salto. Na região central do Estado os rios também estão subindo e ameaçam desalojar moradores de áreas próximas às suas margens. Em Cachoeira do Sul, o Jacuí invadiu algumas residências, forçando os moradores a se mudarem provisoriamente para os pavilhões do Parque da Fenarroz.

 

Em meio a tantos transtornos, os moradores de São Lourenço do Sul, Turuçu e Cristal, no sul, voltaram a ter energia elétrica em suas casas, depois de três dias de um "apagão" provocado pela queda de uma torre de transmissão dentro do Rio Camaquã durante o temporal de quinta-feira passada. Mesmo assim, cerca de 14 mil residências de outras regiões do Estado, todas em pontos isolados, permaneciam desabastecidas no final da tarde desta segunda-feira.

 

O 8º Distrito de Meteorologia prevê tempo nublado a parcialmente nublado com possibilidade de chuva em áreas isoladas em todo o Estado nesta terça-feira. No norte e nordeste, no entanto, as condições podem ser mais severas, com chuva forte em áreas isoladas.

Mais conteúdo sobre:
Rio Grande do Sul chuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.