Arnaldo Carvalho/Jc Imagens
Arnaldo Carvalho/Jc Imagens

Noar volta a suspender operações em Pernambuco

Suspensão foi pedido da Anac; não há previsão para retomada das atividades

Solange Spigliatti e Angela Lacerda, Agência Estado

17 Julho 2011 | 15h03

A empresa Noar Linhas Aéreas voltou a suspender temporariamente suas operações na tarde deste domingo, 17, após orientação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Segundo informações da empresa, não há previsão para a normalização das operações.

 

A Anac quer explicações sobre um documento auxiliar de registro de aeronavegabilidade que registra as impressões e percepções dos tripulantes da aeronave PR-NOA, modelo LET410 - que havia voltado a operar ontem (16), fazendo a linha Recife-Maceió.

 

Segundo a Noar, este documento foi furtado nos dias subseqüentes à queda, na quarta-feira (13), da outra aeronave da empresa (PR-NOB), de mesmo modelo, matando 16 pessoas. Ontem (16), a empresa registrou um Boletim de Ocorrência Policial. Documento similar da aeronave que caiu, estava a bordo.

Em comunicado à imprensa, a Noar informa que de acordo com o Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC 135), itens 135.65 e 135.431, entre outros, as empresas aéreas devem implementar um Sistema de Análise de Supervisão Continuada com o propósito de monitorar e analisar o desempenho e a eficácia dos programas de manutenção e inspeção.

“As ferramentas que serão utilizadas nesses programas podem ser diversas na busca, principalmente, do aumento da segurança de voo”, diz a nota. “Desta forma, a Noar Linhas Aéreas utiliza um registro auxiliar com a finalidade de apresentar impressões e percepções das tripulações acerca do funcionamento das aeronaves”.

 

Segundo a empresa, “essas impressões e percepções podem se transformar em ordens de serviço, se for necessário, após análise dos especialistas em manutenção da empresa”. A empresa entende que “tal postura já está alinhada com a nova legislação que passará a vigir a partir de agosto de 2011 (que dispõe sobre o Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional).

A administração da empresa esclarece que o furto do documento não trouxe prejuízos à companhia nem à investigação relativa ao acidente do voo 4896, porque a Noar dispõe de outras fontes dos registros, a exemplo do livro de bordo e registros de ordens de serviços.

A nota informa ainda que o ocorrido, a Noar reforçou sua rotina de segurança e restringiu absolutamente o acesso a todos os documentos da empresa, limitando-o às autoridades competentes. A medida visa garantir a integridade dos demais registros necessários à investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.