1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Novos vídeos mostram Bernardo irritado com gravações do pai

Elder Ogliari - O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2014 | 20h 15

Nas duas novas peças, encaminhadas ao processo pela polícia, o garoto discute com o pai e pede para ele parar de filmar

PORTO ALEGRE - Dois novos vídeos vazados para a imprensa gaúcha mostram que o garoto Bernardo Uglione Boldrini se irritava com a gravação de suas atitudes e era provocado pelo pai, o médico Leandro Boldrini, dentro de casa. Vídeos divulgados anteriormente também revelaram brigas da madrasta, Graciele Ugulini, com o garoto.

Nas duas novas peças, encaminhadas ao processo pela polícia, Bernardo discute com o pai e pede para ele parar de gravar cenas da irritação que sentia. Em uma delas, gravada em junho de 2013, pega uma faca, que depois troca por um facão, e se aproxima da câmera, mostrando a lâmina. Também procura álcool, sem encontrar, e simula fazer um corte no próprio braço.

Entre pedidos que faz para o filho largar a faca e depois o facão, o médico também provoca. "Vamos ver se tu é corajoso, isso aqui vai ser mostrado para quem quiser ver. Vamos, machão", diz. No segundo vídeo, de agosto de 2013, Bernardo está dentro de um armário, chorando, dizendo que não quer alguma coisa e pede  "para de me filmar, seu idiota".

Bernardo desapareceu de casa, em Três Passos, em 4 de abril deste ano, quando tinha 11 anos. O corpo foi encontrado dez dias depois em Frederico Westphalen, a 80 quilômetros de distância. O pai, a madrasta e mais a assistente social Edelvânia Wirganovicz e o motorista Evandro Wirganovicz estão presos  preventivamente e são réus de processo por homicídio. A Justiça está ouvindo testemunhas e não marcou data  para o julgamento.

Caso Bernardo Boldrini
Jader Benvegnú/Futura Press/Estadão

Após a morte de Bernardo, a família da mãe do garoto, Odilaine Uglione Boldrini, quer reabrir o caso de sua morte. Ela foi encontrada com um tiro na cabeça, há quatro anos, no consultório de Leandro. Na época, as investigações apontaram para suicídio. "Havia um patrimônio bem vultuoso quando ela faleceu e um contrato de partilha de bens entre os dois", disse o advogado da família da mãe de Bernardo, Marlon Taborda. A família suspeita que ela foi vítima de homicídio.