Onze são presos após incêndio em alojamentos na Usina Jirau (RO)

Fogo atingiu 36 dos 57 alojamentos localizados no canteiro de obras, no Rio Madeira

Nilton Salina, Especial para a Agência Estado

03 Abril 2012 | 16h38

PORTO VELHO - Na madrugada desta terça-feira, 3, um grupo ateou fogo em 36 dos 57 alojamentos localizados no canteiro de obras da Usina Jirau, no Rio Madeira, iniciando um tumulto que resultou na retirada de 7 mil trabalhadores do local. A situação foi contornada por 140 policiais militares e Rondônia e 103 homens da Força Nacional de Segurança. Onze suspeitos foram presos.

Os trabalhadores, que estavam em greve, voltaram às atividades na segunda-feira, 2, após diversas rodadas de negociações entre barrageiros e representantes dos consórcios construtores, intermediadas pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Os trabalhadores aceitaram a proposta apresentada na última sexta-feira, de reajuste de 7% para quem recebe até R$ 1,5 mil e de 5% para quem tem salário acima desse valor.

O secretário de Segurança, Defesa e Cidadania, delegado da Polícia Federal Carlos Bessa, disse que agora a situação no canteiro de obras está sob controle e que será aumentado o efetivo da Força Nacional de Segurança, por se tratar de uma obra do governo federal. Segundo ele, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, autorizou o envio para o Estado de mais soldados, que devem começar a chegar ainda hoje.

Mais conteúdo sobre:
Jirau greve Rondônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.