Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Operação prende 53 pessoas que seriam ligadas ao PCC em Minas

Grupo era comandado por presos da Penitenciária de Três Corações; foram apreendidas drogas, armas de fogo, munição e explosivos

Leonardo Augusto, Especial para o Estado

08 Agosto 2017 | 14h01

Uma operação do Ministério Público de Minas Gerais e da Polícia Militar do Estado prendeu nesta terça-feira, 8, 28 integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) em cinco cidades da região sul de Minas Gerais. Durante as investigações, haviam sido realizadas outras 25 prisões, totalizando 53. A informação que o bando pertencia ao PCC é do Ministério Público. 

A operação, batizada de Argos, foi deflagrada nas cidades de Três Corações, Varginha, Cambuquira, Boa Esperança e Carmo da Cachoeira. Foram apreendidos maconha, cocaína, crack, armas de fogo, munição e explosivos. Além das prisões, foram cumpridos também 20 mandados de busca e apreensão.

O grupo explodia caixas eletrônicos, roubava casas e carros, praticava homicídios, traficava drogas para outros estados,  além de vender armas, munições e explosivos. Segundo o Ministério Público, o grupo era comandado por presos da Penitenciária de Três Corações, para onde foram encaminhados todos os detidos na operação desta terça. 

A promotoria já ofereceu denúncia contra os investigados pelos crimes de receptação, porte de arma, tráfico de drogas e organização criminosa armada.

As investigações duraram ao todo 11 meses e ficaram a cargo do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do núcleo Varginha. A ação envolveu 113 policiais, três promotores, 26 viaturas e uma aeronave.

O PCC surgiu em São Paulo na década de 90 e hoje mantém ramificações na maior parte do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.