Oposição cobra demissão de Garcia

Gesto obsceno de assessor de Lula recebe críticas de partidos

Eugênia Lopes, Marcelo de Moraes e Rosa Costa, O Estadao de S.Paulo

07 Julho 2022 | 00h00

Três partidos de oposição - PSDB, PPS e Democratas - divulgaram nota ontem pedindo a demissão do assessor especial da presidência da República, Marco Aurélio Garcia, flagrado fazendo gestos obscenos para comemorar a notícia de que uma das possíveis causas do acidente com o Airbus da TAM teria sido um defeito no reverso do avião. Na interpretação do assessor, essa notícia livraria o governo de responsabilidade pela tragédia. Integrantes da base aliada da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Apagão Aéreo da Câmara também criticaram o assessor de Lula. Além dos pedidos de demissão, foi exigido de Garcia pedido de desculpas. "Quando se vêem atitudes dessa natureza, vê-se que não se assumiu a existência de uma crise", disse o relator da CPI, deputado Marco Maia (PT-RS). "Nesse momento não concordamos em externar alegria independentemente de qual foi a causa do acidente", afirmou o presidente em exercício da CPI, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Para os deputados de oposição da comissão, Marco Aurélio Garcia tratou com "deboche" as famílias das vítimas do acidente. "O simbolismo do gesto representa tripudiar em cima das famílias das vítimas", disse o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR). "O mínimo que ele tem de fazer é entregar o cargo", afirmou o deputado Vic Pires Franco (DEM-PA). O líder do Democratas no Senado, José Agripino (RN), e o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) defenderam a imediata demissão do assessor. "Se o presidente sente como nós a dor do Brasil, o escárnio desses gestos deve colocá-los diretamente fora do governo", disse Agripino. Para Vasconcelos, a falta de compostura e de respeito à opinião pública é motivo mais do que justo para que os dois sejam demitidos imediatamente. Para o presidente do Democratas, deputado Rodrigo Maia (RJ), o comportamento de Garcia foi "estarrecedor e inaceitável". Em nota oficial, Maia defendeu que Marco Aurélio peça desculpas pelo gesto. "E reze para que as pessoas tenham, em relação a você, a tolerância e o respeito que você não teve em relação a elas", observou o democrata. TUCANOS "Os gestos obscenos foram a primeira manifestação pública do governo sobre a tragédia que enlutou não só as famílias dos mortos, mas todos os brasileiros", afirmou o líder do PSDB na Câmara, Antonio Carlos Pannunzio, na nota do partido. Para o deputado federal e ex-presidente nacional do PSDB José Aníbal (SP), "o PT diz que não é culpado por tudo e não se acha responsável por nada. Agora, com esse gesto, revela todo o deboche e desprezo pela vida de milhares de famílias". O presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), também divulgou nota na qual afirma que Garcia e seu assessor foram "flagrados em explícita cena de regozijo com reportagem que anunciava defeito mecânico na aeronave."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.