1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Os cariocas roubaram meu coração, diz papa Francisco

Serviço de Imprensa do Vaticano

07 Abril 2014 | 11h 28

Pontífice defendeu que a Igreja Católica deve ser uma instituição 'para fora' e que não deve haver medo de servir

CIDADE DO VATICANO - O comitê organizador da 28ª Jornada Mundial da Juventude no Rio, encabeçado pelo cardeal d.Orani Tempesta, arcebispo de São Paulo, foi recebido em audiência na manhã desta segunda-feira, 7, pelo papa Francisco. O pontífice, fazendo piada, disse que os cariocas eram 'uns ladrões' porque haviam 'roubado o seu coração' e que aproveitava a presença do comitê para agradecer esse 'roubo' e também porque, dessa forma, poderia diminuir a "saudade" do Brasil.

Depois, falando da dificuldade de organizar um evento tão grande como foi a Jornada no Rio, recorreu ao milagre da multiplicação dos pães e dos peixes, quando Jesus pediu aos apóstolos que dessem de comer à multidão que o seguia, uma tarefa claramente impossível. "No entanto - disse - os apóstolos eram generosos: deram ao Senhor tudo o que tinham e Jesus multiplicou seus esforços. Não foi isso o que aconteceu com a Jornada Mundial da Juventude?".

"Mas não devemos só olhar para trás - afirmou - temos que olhar em direção ao futuro, fortalecidos com a segurança de que Deus sempre multiplica nossos esforços. Jesus nos repete constantemente: 'Dar-lhes vós mesmos de comer'. Assim esse milagre vivido na Jornada da Juventude deve se repetir todos os dias, em cada paróquia, em cada comunidade, no apostolado pessoal de cada um! Não podemos estar tranquilos sabendo que ainda há 'muitos irmãos que vivem sem a força, a luz e o consolo da amizade com Jesus Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida. Portanto , é necessário repensar essas três ideias que, de alguma maneira resumem toda a mensagem da Jornada Mundial da Juventude: vá, sem medo, para servir. Temos que ser uma 'Igreja para fora' como discípulos missionários que não têm medo das dificuldades , porque vemos que o Senhor multiplica nossos esforços, e por isso sempre estamos mais motivados para servir, cheios da alegria do Evangelho".