1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Os destaques de hoje do Estadão Noite

14 Março 2014 | 17h 45

Edição exclusiva para tablets está disponível para download a partir de 20h

O Estadão Noite continua acompanhando os protestos que estão ocorrendo no País desde junho de 2013. Esther Solano Gallego, doutora em Ciências Sociais pela Universidade Complutense de Madri e professora de Relações Internacionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), aproveita o caso envolvendo a depredação da Ceagesp nesta sexta-feira, 14, para discorrer sobre como a violência passou a pautar boa parte das manifestações.

A edição desta sexta também traz um artigo de Alvaro Martim Guedes, professor do Departamento de Administração Pública da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Araraquara. Após a divulgação pelo IBGE de números errados sobre o funcionalismo em São Paulo (apontando um aumento de 90% no total de cargos comissionados entre 2012 e 2013, quando, na verdade, o crescimento foi de 4%), fica a questão: qual seria o limite adequado para a administração pública se valer de indivíduos não concursados?

Angelo Segrillo, professor de História Contemporânea na Universidade de São Paulo (USP), traz uma visão pouco explorada da crise na Ucrânia: a questão da nacionalidade determinada pelo chamado 'direito do sangue'. Diferenças eternizadas poderiam dificultar, em longo prazo, a realização plena dos acordos para conter a crise.

Marcelo de Moraes, diretor da sucursal do 'Estado' em Brasília, antecipa o clima no Congresso: a partir da próxima semana, partidos de oposição deflagram sua estratégia de pressionar Dilma. A ideia é aproveitar a convocação de ministros e outras autoridades do governo para colocar o governo federal contra a parede e tentar desgastar a imagem da presidente.

Com a notícia de que um estudo revolucionário sobre células-tronco pode ser invalidado, o jornalista especializado em Ciência e Meio Ambiente Herton Escobar discute os perigos que envolvem a fraude e a manipulação de resultados, bem como a publicação de artigos científicos por periódicos respeitados.

O leitor pode baixar a edição, exclusiva para tablets, a partir das 20h. Assinantes podem baixar gratuitamente a edição, disponível para Ipad e para aparelhos com sistema operacional Android.