Os presidentes do Brasil na era republicana

Desde 1889, só 9 chefes de Estado receberam o mandato do antecessor eleito e igualmente o repassaram a um sucessor escolhido nas urnas, incluídas as duas reeleições

, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2010 | 00h00

Os presidentes indiretos

Deodoro da Fonseca

Proclamou a República em 15 de novembro de 1889 e chefiou o governo provisório. Em 25 de janeiro de 1891, foi eleito presidente pelo Congresso Constituinte. Deodoro enfrentou grave crise política e econômica - e resistência no meio militar. Reagiu a uma tentativa do Congresso de limitar seus poderes dissolvendo-o. Renunciou em 23 de novembro, sob pressão da 1.ª Revolta da Armada

Floriano Peixoto

Vice de Deodoro, assumiu após a renúncia do titular e enfrentou duas rebeliões: a 2.ª Revolta da Armada, resultado de conflitos entre o Exército e Marinha, no Rio de Janeiro, e a Revolução Federalista, iniciada no Rio Grande do Sul. Para manter a ordem, recorreu ao estado de sítio, enquanto tentava organizar as instituições republicanas. Governou até 15 de novembro de 1894

1894

Prudente

de Morais foi o primeiro presidente eleito diretamente, batendo Afonso Pena. Sua vitória levou ao poder a oligarquia cafeicultora paulista

Prudente recebeu

276.583

votos

2,2%

da população votou

População: 15,5 milhões

1898

Campos Sales, ex-governador de São Paulo, marcaria seu mandato pelo combate à

inflação, à desvalorização da moeda e renegociação da dívida externa

2,7%

da população votou

Sales recebeu

420.286

Votos

1901

Num período de dificuldades econômicas, safra de 1901 dá ao Brasil monopólio da produção mundial de café - responsável por 65% das nossas exportações

População: 17,1 milhões

1902

Rodrigues Alves

adotou na capital da República um ousado programa de reurbanização e saneamento, em meio a surtos de febre amarela e varíola. A vacinação obrigatória causou uma revolta popular

em 1904

Alves recebeu

592.039

votos

1903

Brasil e Bolívia assinam o Tratado de Petrópolis, negociado pelo barão do Rio Branco, pelo qual o Acre é incorporado ao território brasileiro em troca de 2 milhões de libras e da construção da ferrovia Madeira-Mamoré

3,4%

da população votou

População: 18,7 milhões

1906

O mineiro Afonso Pena

manteve o programa de reaparelhamento de ferrovias e portos do seu antecessor e

reorganizou o Exército

1,4%

da população votou

Afonso Pena recebeu

288.285 votos

1909

O presidente Afonso Pena morre antes de concluir o mandato. O vice Nilo Peçanha assume

e governa até o ano seguinte

População: 20,4 milhões

1910

Hermes da Fonseca foi o primeiro militar a chegar à Presidência pelo voto direto. Gaúcho, pôs fim à alternância de poder entre paulistas e mineiros. Criou a faixa presidencial por decreto

Hermes da Fonseca recebeu

403.867 votos

População: 22,2 milhões

1913

Após esmagar a Revolta da Chibata, motim de marinheiros, Fonseca decretou estado de

sítio no Rio para conter os distúrbios causados pela deportação de sindicalistas estrangeiros envolvidos em greves

3,2%

da população votou

1914

Venceslau Brás assumiu após bater nas urnas Rui Barbosa. Adotou política econômica austera e promulgou o primeiro Código Civil brasileiro

Brás recebeu

532.107 votos

2,4%

da população votou

1918

Rodrigues Alves é novamente eleito presidente, com 99% dos votos, mas contrai a gripe espanhola e não chega a tomar posse. Morreria no ano seguinte

População: 24,1 milhões

1919

O vice Delfim Moreira assume, mas também enfrenta problemas de saúde; na prática, o

governo é exercido pelo ministro da Viação e Obras Públicas, Afrânio de Melo Franco

1919

Epitácio Pessoa enfrentou greves operárias e três rebeliões militares, incluindo a Revolta do Forte de Copacabana, após a prisão do marechal Hermes da Fonseca

Pessoa recebeu

286.376 votos

População: 26,8 milhões

1,5%

da população votou

1922

Artur Bernardes enfrentou a oposição das revoltas tenentistas e do movimento operário. O Brasil ficou em estado de sítio durante os quatro anos de seu mandato

Bernardes recebeu

466.877 votos

2,9%

da população votou

1924

Tropas do governo sufocam levante tenentista em São Paulo: 505 mortos e 5 mil feridos. No ano seguinte, os rebeldes se reuniriam na Coluna Prestes.

População:

28,5 milhões

1926

Eleito em chapa única, Washington Luís governou livre do movimento tenentista.

Mas passou boa parte do mandato em disputas políticas que acabariam por derrubá-lo.

1929

Washington Luís impôs o paulista Júlio Prestes como candidato à sucessão. Gaúchos e mineiros decidiram lançar Vargas

Com o crack da Bolsa de Nova York, desaparecem os compradores de café. A lavoura entra em crise

2,3%

Porcentual de votantes

30,9 milhões

O eleito obteve

628.528

Votos

1930

A crise política se agrava com a eleição de Júlio Prestes. Em março, ele bate Getúlio Vargas nas urnas. Em outubro, antes da posse, Vargas assume após golpe com apoio militar

Prestes recebeu

1.091.709

Votos

População:

33,5 milhões

5,7%

da população votou

Prestes recebeu

1.091.709

Votos

1930

Governo provisório

Junta militar que depôs Washington Luís, formada pelos generais Tasso Fragoso e Mena Barreto e pelo almirante Isaías de Noronha, fica uma semana no poder. Pressão popular e de movimentos militares de Minas Gerais e Rio Grande do Sul leva a junta a entregar o poder a Getúlio Vargas

1932

Legislação eleitoral Criados o primeiro Código Eleitoral e a Justiça Eleitoral. Foi instituído o voto secreto, o voto feminino e o sistema de representação proporcional. Pela primeira vez, a legislação eleitoral fazia referência aos partidos políticos, mas ainda era admitida a candidatura avulsa. O Código já previa o uso de máquina de votar, só efetivado mais de 60 anos depois

1933

Constituição nova

Após a Revolução Constitucionalista de 1932, foi eleita nova Assembleia Constituinte. Parte dos constituintes foi indicada por líderes sindicais. Vargas é eleito presidente da República

1935

Intentona

Militares ligados à Aliança Nacional Libertadora (ANL), frente popular extinta por Vargas e ligada ao Partido Comunista, tentam iniciar uma revolução no Rio, no Recife e em Natal. Após ser sufocada, houve intensa repressão

1937

Ditadura

Vargas comanda golpe que fecha o Congresso, dissolve os partidos e põe fim à autonomia estadual. Estado Novo duraria até 1945

1945

Golpe militar

Vargas marca eleições presidenciais, mas rumores de que adiaria pleito levam militares a derrubá-lo. José Linhares, presidente do STF, fica no cargo até janeiro de 1946

1945

A eleição de Eurico Gaspar Dutra marca a volta do regime democrático, interrompido em 1930. País ganha nova Constituição e Dutra estreita laços com EUA

13,4%

da população votou

População:

46,2 milhões

Dutra recebeu

3.251.507

Votos

1950

Eleito pelo voto direto após bater Eduardo Gomes, Getúlio Vargas adotou uma política econômica de cunho nacionalista e de forte apelo popular

1954

Plano de estabilização econômica fracassa e, isolado, Vargas suicida-se. Vice Café Filho assume, mas, doente, afasta-se do cargo no ano seguinte

1955

Carlos Luz, presidente da Câmara, assume e cai três dias depois, acusado de conspirar contra posse do presidente eleito, Juscelino Kubitschek

Getúlio recebeu

3.849.040 votos

5,9%

da população votou

51,9 milhões

1955

Juscelino Kubitschek recebe a faixa de Nereu Ramos, presidente do Senado, e faz gestão desenvolvimentista marcada pela inauguração de Brasília, a nova capital, em 1960

JK recebeu

3.077.411 votos

População: 58,4 milhões

15,6%

da população votou

1961

Eleito com ampla votação, Jânio Quadros renuncia sete meses depois. O vice, João

Goulart, só assume após acordo que adotou parlamentarismo

Jânio recebeu

5.636.623

Votos

1963

Única experiência parlamentarista da era republicana termina após Goulart conseguir antecipar plebiscito, que aprova volta do presidencialismo. Goulart reassume poderes presidenciais, mas é deposto pelos militares no ano seguinte

17,8%

da população votou

População: 70,1 milhões

1964

Interino

Ranieri Mazzilli, presidente da Câmara que havia assumido a Presidência por duas semanas após a renúncia de Jânio, em 1961, volta a ocupar interinamente o cargo com a queda de Goulart, desta vez por 13 dias, enquanto os militares escolhiam o sucessor

Ditadura militar

Cinco generais presidentes eleitos indiretamente - Castelo Branco, Costa e Silva, Emílio Garrastazu Médici, Ernesto Geisel e João Figueiredo -, e uma Junta Militar por breve

período, governaram o Brasil durante o período de exceção, de 1964 a 1985

1985

Nova República

O oposicionista Tancredo Neves derrotou Paulo Maluf em eleição indireta, no Colégio Eleitoral, mas não tomou posse, por motivos de saúde, e morreu em 21 de abril.

O vice, José Sarney, chefiou até 1990 o último governo eleito

por voto indireto

1963

Única experiência parlamentarista da era republicana termina após Goulart conseguir antecipar plebiscito, que aprova volta do presidencialismo. Goulart reassume poderes presidenciais, mas é deposto pelos militares no ano seguinte

1988

Em 5 de setembro é promulgada nova Constituição, aprovada por uma Assembleia Nacional

Constituinte. É a volta do Estado de Direito

Collor recebeu no 2º turno

35.085.457 votos

1989

Eleito após bater Lula, Fernando Collor confisca a poupança - mas fracassa em sua cruzada para debelar a inflação

1992

Acusado de participar de um esquema de corrupção, Collor é deposto pelo Congresso.

O vice Itamar Franco assume e, com a adoção do Plano Real, derruba a inflação

População: 146.857.800

45,04%

da população votou

1994

Impulsionado pelo sucesso do Plano Real, Fernando Henrique Cardoso é eleito presidente no primeiro turno

Fernando Henrique recebeu

34.362.726 votos

1997

Congresso Nacional aprova emenda constitucional do governo, instituindo a reeleição

40,46%

da população votou

População:

156.430.949

1998

Fernando Henrique Cardoso tornou-se o primeiro presidente reeleito da história do Brasil, vencendo no primeiro turno

Fernando Henrique recebeu

35.936.540

Votos

1999

O ministro da Fazenda,Pedro Malan, anuncia ruptura na política cambial e desvalorização

do real

População:

166.252.088

40,73%

da população votou

2002

Luiz Inácio Lula da Silva foi o primeiro metalúrgico eleito presidente do Brasil, derrotando o tucano José Serra no segundo turno

Lula recebeu

52.772.475

votos no 2.º turno

2005

Escândalo do mensalão, compra de voto parlamentar em troca de apoio, abre crise no governo Lula

População:

173.501.227

49,66%

da população votou

2006

Lula é reeleito, novamente no segundo turno

Lula recebeu

58.295.042

votos no 2.º turno

População:

186.020.850

2010

Após reativação da economia, Lula bate recorde de popularidade

51,52%

da população votou

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.