Reprodução/Polícia Civil
Reprodução/Polícia Civil

Padre suspeito de abusar de cinco crianças é preso em Santa Catarina

Caso foi descoberto após menino de 13 anos pedir ajuda ao pai por mensagem de celular; líder religioso deve responder por estupro de vulnerável

Fábio Bispo, especial para o Estado

11 Junho 2017 | 17h43

FLORIANÓPOLIS - A Polícia Civil de Santa Catarina prendeu temporariamente um padre de 37 anos suspeito de abuso de crianças e adolescentes nas cidades de Joinville e São Francisco do Sul, em Santa Catarina. Após o início das investigações, a polícia apurou a existência de pelo menos cinco casos de abusos cometidos pelo padre, o que levou ao pedido de prisão preventiva cumprido na sexta-feira, 9. O padre foi preso na casa da mãe, em Joinville. Ele vai responder por estupro de vulnerável.

O caso foi descoberto no final de maio pelos pais de uma das vítimas, quando o sacerdote levou cinco menores de idade para dormir com ele durante um retiro na cidade de Joinville, onde trabalhava há dois meses. Do banheiro, uma das crianças, um menino de 13 anos, enviou uma mensagem por WhatsApp ao pai relatando que o padre estava "judiando" dele. 

Em todos os casos, as vítimas eram meninos entre 12 e 14 anos. "Desde o início ele fazia contato com crianças meninos e sempre levava para dormir na casa dele, mas sem que isso causasse nenhum tipo de preocupação com as famílias. O que aconteceu é que uma dessas crianças criou coragem e contou para os pais", explicou.

Os menores de idade foram ouvidos por psicólogos da Polícia Civil. Integrantes das igrejas onde o padre trabalhou também prestaram depoimentos.

Segundo as investigações, os casos de abusos teriam ocorrido na Paróquia Santa Paulina, em São Francisco do Sul, e em retiros religiosos organizados pelo padre. Ele foi transferido para Joinville há dois meses, para onde continuou levando crianças de São Francisco do Sul.

A reportagem tentou contato com a diocese de Joinville, que não atendeu aos chamados neste domingo, 11.

Mais conteúdo sobre:
Abuso infantil Pedofilia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.