1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Para Cabral, conduta de policiais que arrastaram mulher foi 'abominável'

Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

18 Março 2014 | 18h 47

Policiais envolvidos na morte da auxilia de serviços gerais estão presos em Bangu 8

RIO - O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB) classificou como "abominável" a conduta dos três policiais envolvidos na morte de Claudia Silva Ferreira, de 38 anos. Para ele, os subtenentes Adir Serrano Machado e Rodney Miguel Archanjo e o sargento Alex Sandro da Silva Alves, agiram de forma "desumana" e responderão pelos crimes cometidos. Eles estão presos em Bangu 8, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste.

"É uma sensação de choque e de repugnância. O que vimos foi uma atitude completamente desumana desde o atendimento, (a forma como) ela foi colocada (no porta-malas da blazer), a barbaridade da queda... Enfim, uma cena absolutamente abominável, que não ficará impune. Eles já estão presos e vão responder por essa barbaridade", afirmou Cabral nesta terça-feira, 18. O governador estava em Nilópolis, na Baixada Fluminense, onde acompanhava o início da operação de um trem da concessionária Supervia.

Moradora do Morro da Congonha, em Madureira, zona norte, a auxiliar de serviços gerais levou dois tiros, um no peito e outro no pescoço. Ainda na comunidade, ela foi colocada no porta-malas de uma blazer, segundo os policiais, para "ser socorrida" no Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, zona norte. No trajeto, o porta-malas abriu, o corpo de Claudia ficou preso pela roupa e ela foi arrastado por, pelo menos, 350 metros. O corpo de Claudia foi enterrado nesta segunda-feira, 17. Moradores da região fizeram protestos no Rio.

"(Ser expulsos da corporação) é o mínimo (que pode acontecer), mas é evidente que eles têm direito de defesa. (A atitude deles) é algo que não condiz com a maioria da PM, que repudia isso. O que vimos foi absolutamente desumano, mas não abala a confiança da população na polícia", afirmou Cabral.

Machado, Archanjo e Alves prestaram depoimento na Auditoria de Justiça Militar na tarde desta terça. Eles foram presos em flagrante e responderão a dois inquéritos policiais.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo