André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Marun nega que exista dificuldade em encontrar nome para segurança

Ministro diz que o que atrasa escolha é 'cuidado especial' para encontrar alguém adequado para função

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2018 | 20h53

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou que o governo não está enfrentando problemas para a escolha do futuro ministro da Segurança, apenas "um cuidado especial" e confirmou que o formato que criará a pasta ainda está sendo avaliado.

"Não existe dificuldade em encontrar um nome. Existe o cuidado de encontrar um nome que o presidente Temer considere adequado para o exercício de funções de grande responsabilidade", disse. Mesmo com a declaração de Marun, outra fonte do Planalto afirmou que Temer já teria escolhido o nome, mas ainda não vai anunciar, pois o futuro ministro estaria resolvendo questões pessoais.

++ Interventor anunciará general da ativa para a Secretaria de Segurança do Rio

Apesar de destacar que não está participando diretamente das discussões, o ministro confirmou que o governo ainda avalia se a pasta será criada via Medida provisória, Projeto de Lei, ou por um decreto. "São questões que estão sendo estudadas. O que existe é a decisão do presidente de estabelecimento de uma estrutura que trate especificamente da segurança pública", afirmou.

Questionado se o modelo poderia ser apenas de uma secretaria, Marun disse acreditar que afirmou que a pasta será "a nível ministerial" e "em contato direto com o presidente".

++ Polícia Militar vai ocupar rodovias federais em SP​

Mea-culpa. Marun voltou a fazer um mea-culpa em relação a irritação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente do Senado, Eunício Oliveira, que reagiram de forma negativa ao anúncio do pacote das 15 medidas prioritárias para o governo, após a desistência da reforma da Previdência. "Esperamos que esse mal-entendido, resultante da forma de divulgação (das 15 medidas), esteja superado", afirmou. "Reconhecemos que cabe ao presidente da Camara e do Senado pautar as medidas para serem votadas", completou.

Marun aproveitou ainda para enfatizar que o governo não cogita nenhum tipo de imposto para a área de segurança. Questionado então se Maia mentiu ao dizer que Temer teria pensado a respeito e o presidente da Câmara afirmado que a ideia não teria condições de prosperar, Marun evitou polemizar. "Não estou dizendo que o maia mentiu, não falei com presidente sobre isso", afirmou.

Marun disse ainda que não acredita que Eunício criará problemas caso o ministério da segurança seja criado via MP, já que essa semana o presidente do Senado declarou ter preferência por um Projeto de Lei. "Tenho certeza que a decisão que for tomada não vai ter obstáculos criados pelo presidente do Senado", ressaltou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.