Para ministro da AGU, é vedado às polícias parar

Luís Inácio Adams disse acreditar "que os movimentos vão respeitar a lei e fazer suas reivindicações, mas dentro do limite que a lei autoriza"

Débora Álvares, O Estado de S. Paulo

21 Maio 2014 | 22h51

BRASÍLIA - Em meio à paralisação parcial de policiais civis realizada nesta quarta-feira, 22, em 13 Estados, o ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), Luís Inácio Adams, afirmou que é vedada às polícias a realização de greves.

"Entendemos que toda atividade armada, toda atividade policial associada à segurança, não tem autorização legal ou constitucional para participar de movimentos grevistas", disse.

Para o ministro, é legítimo que as categorias de segurança tenham reivindicações, mas essas questões devem ser tratadas de outra foram que "não via instrumento de greve".

Adams disse ainda acreditar "que os movimentos vão respeitar a lei e fazer suas reivindicações, mas dentro do limite que a lei autoriza".

Mais conteúdo sobre:
Polícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.