Pelo 2º dia, Santos Dumont fecha para vôos da ponte aérea

Com chuva e pista molhada, aviões de grande porte não podem pousar e são transferidos para o Tom Jobim

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

24 Outubro 2007 | 08h08

O Aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio de Janeiro, estava fechado para pousos e decolagens na manhã desta quarta-feira, 24. Este é o segundo dia que o Santos Dumont fecha para aviões de grande porte, usados nos vôos da ponte aérea Rio-São Paulo, devido à forte chuva que caiu na cidade.   Túnel Rebouças é fechado após deslizamento na zona sul do Rio    A pista deve ficar fechada para aviões com mais de 20 toneladas sempre que a pista estiver molhada, segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Entre as 6 horas e 7h15 desta quarta, as operações do Santos Dumont eram feitas com auxílio de instrumentos, devido à chuva e forte neblina. Apenas aviões de pequeno porte tinham autorização para fazer pousos e decolagens.   O Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, recebeu os aviões que deveriam pousar no Santos Dumont. O Tom Jobim também funcionava por instrumentos nesta manhã. Apesar dos problemas nos aeroportos do Rio, a Infraero não registrava nenhum vôo cancelado no Santos Dumont, sendo que sete estavam programados até às 7 horas.   De acordo com a estatal, um vôo estava fora do horário. No Tom Jobim, três vôos tinham atraso superior a uma hora, mas nenhum dos 21 vôos previstos tinha sido cancelado.   Em São Paulo, o Aeroporto de Congonhas, na zona sul, também operava por instrumentos devido ao mau tempo. Segundo a Infraero, dois vôos tiveram os horários alterados e um havia sido cancelados. No Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica), em Guarulhos, as operações eram feitas normalmente e não havia registros de atrasos ou cancelamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.