Pereira vai à CPI após governo confirmar sua saída da Infraero

Brigadeiro vai continuar à frente da estatal até que governo defina o nome de seu substituto

31 Julho 2007 | 10h00

O brigadeiro José Carlos Pereira, presidente da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), vai depor às 15 horas desta terça-feira, 31, na CPI do Apagão Aéreo da Câmara. O depoimento acontece um dia após o governo anunciar que ele vai deixar a presidência da estatal. Apesar de ter a saída confirmada, Pereira deve continuar no cargo até que o nome de seu substituto seja definido.   O depoimento do presidente da Estatal foi sugerido pelo relator da CPI, deputado Marco Maia (PT-RS), com o objetivo de obter informações sobre os procedimentos adotados pela Infraero para esclarecer as causas e as responsabilidades do acidente com o avião da TAM, no qual 199 pessoas morreram, no dia 17 de julho.   Antes, para às 11 horas, está marcado o depoimento do superintendente de Empreendimentos de Engenharia da Infraero, Armando Schneider Filho. Mais tarde, às 18 horas, os deputados ouvem o piloto da TAM José Eduardo Batalha Brosco, que pilotava um avião da TAM que, um dia antes do acidente com o vôo 3054, derrapou na pista principal do Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista.   O deputado Pepe Vargas (PT-RS), que requisitou o depoimento de Schneider, ressaltou que o setor de Empreendimentos de Engenharia é responsável, entre outras atividades, pela contratação e acompanhamento de obras nas pistas dos aeroportos. O deputado afirma que a presença dessa autoridade é necessária devido à hipótese de que a pista do aeroporto de Congonhas tenha sido entregue sem as condições ideais após as obras de reforma.   Também nesta terça, a CPI pode receber as transcrições das caixas-pretas do avião da TAM que se chocou contra um prédio ao lado de Congonhas. O material será entregue pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).   Com informações da Agência Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.