Petroleiros fazem ato pró-Dilma e contra privatização

Organizadores negam que manifestação era a favor da candidata do PT, apesar de ataques ao presidenciável do PSDB

Alfredo Junqueira / RIO, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2010 | 00h00

Petroleiros, sindicalistas, estudantes e representantes de diversas entidades sociais fizeram uma passeata ontem, no centro do Rio, em apoio à candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República. Oficialmente, a manifestação era uma ato contra as privatizações e em defesa das empresas estatais, mas o que prevaleceu foram as palavras de ordem em favor da petista e os discursos contrários e ofensivos a José Serra (PSDB).

Faixas, bandeiras e farto material de divulgação de Dilma foram espalhados entre os manifestantes. Dirigentes que discursam em cima dos carros de som afirmavam que a petista era a garantia da manutenção do emprego e do desenvolvimento e que Serra representava o retrocesso. Ele foi chamado de Pinóquio, vampirão e mentiroso. Até a confusão que culminou no arremesso de rolo de adesivos e bolinha de papel contra o tucano, na quarta-feira, virou motivo de piadas entre os sindicalistas.

A passeata saiu da Praça da Candelária, percorreu um quilômetro pela Avenida Rio Branco - principal via do centro do Rio - até chegar à sede da Petrobrás. Os manifestantes encerraram o ato com um abraço simbólico ao prédio da estatal. A estimativa da Polícia Militar do Rio é de que 5 mil pessoas participaram do ato. Ao longo do trajeto, trabalhadores solidários à manifestação jogaram papel picado das janelas dos prédios.

De acordo com o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e organizador do evento, João Antônio de Moraes, o ato não tinha nada a ver com a candidatura da petista e nem com PT. Segundo ele, a principal motivação para a mobilização das entidades foi a suposta declaração de David Zylbersztajn, presidente da Agência Nacional do Petróleo (ANP) durante o governo Fernando Henrique Cardoso, em favor do regime de concessão nas áreas de exploração de petróleo do pré-sal.

"Somos favoráveis ao monopólio total da exploração. Concessão à iniciativa privada é o oposto disso. A partilha proposta pelo governo federal é o meio termo", explicou Moraes. "Há uma sensibilidade das pessoas que estão participando em favor da Dilma, mas não é um ato de sua candidatura e nem do PT. Isso não é um ato de campanha", disse o dirigente sindical.

Coincidência

JOÃO ANTÔNIO DE MORAES

COORDENADOR-GERAL DA FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

"Somos favoráveis ao monopólio total da exploração (de petróleo e do pré-sal). Concessão à iniciativa privada é o oposto disso"

"Há uma sensibilidade das pessoas que estão participando (do ato) em favor da Dilma, mas não é um ato de sua candidatura"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.