1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

PF indicia Samarco e Vale pelo rompimento de barragem em MG

- Atualizado: 13 Janeiro 2016 | 22h 52

Empresa que emitiu parecer atestando o funcionamento da barragem também foi indiciada; 17 morreram na tragédia

BELO HORIZONTE - A Polícia Federal indiciou nesta quarta-feira, 13, a Samarco, a Vale (controladora da empresa), a VogBr e mais sete executivos por crime ambiental provocado pelo rompimento da barragem de Fundão, no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, no dia 5 de novembro. O diretor-presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, além do responsável pelo monitoramento de represas da mineradora e gerentes da área estão entre os indiciados. A VogBr emitiu parecer atestando a estabilidade da barragem que rompeu, matando 17 pessoas – duas estão desaparecidas.

A PF, no indiciamento, aponta apenas cargos, e não seus ocupantes. O indiciamento foi por poluição ambiental em proporção que afete o convívio humano. O rompimento da barragem, além de poluir o Rio Doce, atingido pela lama que vazou da represa, impossibilitando, por exemplo, a pesca, deixou sem água cidades de Minas Gerais e do Espírito Santo. 

Em comunicado, a Vale diz que recebeu com surpresa a notícia do indiciamento e afirmou que “reflete um entendimento pessoal do delegado e ocorre em um momento em que as reais causas do acidente ainda não foram tecnicamente atestadas e são, portanto, desconhecidas”.

A Samarco também destacou que discorda da decisão e ressaltou que “não há uma conclusão pericial técnica das causas do acidente”. A VogBR vai esperar a notificação da PF para se pronunciar.

Plano. Somente nesta terça, 12, a Samarco entregou ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) o plano de emergência em caso de rompimento das barragens de Germano e Santarém, em Mariana. Conforme previsto em ação movida pelo Ministério Público Estadual o plano deveria ter sido entregue na segunda-feira. A multa diária pelo atraso é de R$ 1 milhão.

A mineradora ainda apresentou à Justiça uma petição tentando justificar o atraso. Segundo a Samarco, a empresa contratada para o serviço não teria entregue o material no tempo previsto. A solicitação deverá ser analisada pelo TJ nos próximos dias.

Barragem de rejeitos se rompe em Minas Gerais
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
Resgates em Mariana

Duas barragens se romperam em Mariana (MG). O distrito de Bento Rodrigues foi invadido pela lama

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX