Plano de governo com promessas vagas e pouca objetividade

Distribuídas em apenas oito páginas, metas divulgadas pela petista ficam presas aos programas de Lula

Adriana Carranca, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2010 | 00h00

A continuidade do governo Lula é o mote do programa da candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT). Ela promete manter e expandir os principais projetos do presidente, como o Bolsa-Família, o Luz para Todos, Programa de Aceleração do Desenvolvimento (PAC), o Minha Casa Minha Vida, o ProUni e o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania. Em seu programa de governo, porém, Dilma evita comprometer-se com metas para o País. O documento de apenas oito páginas, lançado na segunda-feira, não contempla temas polêmicos, como a reforma da Previdência, nem trata de política econômica e cambial. Compromissos históricos do PT, como a reforma agrária, são citados superficialmente.

Anunciados pela coordenação da campanha, os cadernos temáticos que detalhariam as 13 diretrizes do programa não ficaram prontos. Com isso, exceto pelo que já conhece do governo Lula, o eleitor tem apenas uma ideia vaga do que Dilma pretende fazer - tão vaga quanto a proposta de "governar para todos os brasileiros".

Dilma promete, por exemplo, ampliar o Minha Casa Minha Vida para 2 milhões de moradias e levar o Bolsa-Família a todos que estão abaixo da linha da pobreza. Assim, espera erradicar a pobreza absoluta, promessa repetida à exaustão em sua campanha.

Dilma garante que, com o PAC-2, será possível "eliminar os gargalos que limitam o crescimento econômico" no transporte ferroviário e rodoviário, nos portos, aeroportos e nas condições de armazenagem, além de investir em saneamento, transporte público e habitação.

Na área de educação, Dilma fala em números - como ter uma escola técnica para cada cidade-polo ou com mais de 50 mil habitantes, 6 mil creches e 10 mil quadras esportivas -, e promete expandir a banda larga para todas as escolas. Diz que fortalecerá a pesquisa em áreas como biotecnologia e nanotecnologia, robótica, tecnologia da informação, saúde e produção de fármacos, biocombustíveis e energias renováveis, agricultura, biodiversidade, Amazônia e semiárido, áreas nuclear e espacial, recursos do mar e defesa. O programa contempla mais universidades públicas e Instituições Federais de Educação Tecnológica.

Na saúde, a proposta é tão ousada quanto vaga: "Universalizar a saúde e garantir a qualidade do atendimento do SUS." Além disso, Dilma promete ampliar o Samu, o Programa Brasil Sorridente, as Farmácias Populares, as equipes do Programa Saúde da Família e Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e policlínicas, além de dar atenção à saúde mental e ao tratamento de viciados em álcool e drogas. Remédios contra hipertensão e diabetes seriam incluídos na lista de gratuitos. A idosos e pessoas com deficiência, ela promete "atenção".

COMPROMISSOS DA CANDIDATA

1. Fortalecer a democracia política, econômica e socialmente

2. Crescer mais, com expansão de emprego e renda

3. Dar prosseguimento ao projeto nacional de desenvolvimento

4. Defender o meio ambiente e garantir desenvolvimento sustentável

5. Erradicar a pobreza absoluta

6. Governar para todos

7. Garantir educação

8. Transformar o Brasil em potência científica e tecnológica

9. Universalizar a saúde

10. Prover as cidades de habitação, saneamento e transporte

11. Valorizar a cultura nacional

12. Garantir a segurança

13. Defender a soberania nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.