Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

PMDB revê tática e evita confrontar Dilma

Para não emperrar ainda mais a disputa por postos estratégicos, partido vai preferir intermediários a falar diretamente com presidente

João Domingos, O Estado de S.Paulo

07 Março 2011 | 00h00

Um mês e meio de confronto com a presidente da República por causa dos cargos nos ministérios e no segundo escalão foi suficiente para o PMDB mudar a sua forma de conviver com Dilma Rousseff. A partir de agora, a decisão dos peemedebistas é de não mais falar em cargos nas conversas com a presidente, pois é sabido que ela detesta o assunto.

Está prevista uma nova rodada de negociações em torno de nomes do PMDB depois do carnaval, quando serão definidos os postos em que deverão ser acomodados alguns dos derrotados, como o ex-ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional), os ex-governadores José Maranhão (Paraíba), Iris Rezende (Goiás) e Orlando Pessutti (Paraná). Em nenhum momento, porém, a cúpula falará com a presidente. O interlocutor será o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci.

A Dilma o PMDB tem outro tipo de mensagem, a de que se convenceu de que é governo de fato e de direito e, com ela, quem conversa é o vice, Michel Temer, presidente licenciado da legenda. Qualquer queixa que o partido tiver, no máximo será levada a Temer, que decidirá se vai encaminhá-la à presidente.

São dois os motivos que levaram o PMDB a se recolher, informam dirigentes da legenda. Em primeiro lugar, o partido percebeu que Dilma não se deixa pressionar por cargos. Ela sabe que os partidos têm direito a eles, na divisão dos pedaços do bolo para a base aliada. Mas quer que as coisas ocorram no devido tempo. E nos lugares apropriados.

Por exemplo: para as vice-presidências do Banco do Brasil e da Caixa não quer nomes de partidos, mas técnicos que entendam de assuntos financeiros. Não se importa se esses técnicos forem apadrinhados por alguma legenda. Assim, tanto Geddel quanto Iris e Maranhão, candidatos às vices dos bancos oficiais, dificilmente serão nomeados para algum cargo por lá. Palocci já avisou que outras vagas deverão ser encontradas para os candidatos.

Em segundo lugar, o PMDB decidiu ficar na moita para preservar o líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). Pressionado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que mandava na direção de Furnas Centrais Elétricas - e viu o comando da estatal fugir de suas mãos, por decisão da presidente -, Henrique Alves atritou-se não só com Dilma, mas também com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. A ponto de dizer a Lobão que não aceitava a indicação de Flávio Decat para a presidência de Furnas.

Acontece que Henrique Alves é o nome do partido para ocupar a presidência da Câmara de 2013 a 2015, no sistema de rodízio com o PT. Se continuasse se desgastando por causa da disputa por cargos dos ministérios e do segundo escalão, não teria nenhuma condição se candidatar. Numa conversa com Temer, foi aconselhado a mudar de tática. Deu certo. Henrique Alves acabou por levar o PMDB da Câmara a dar os 77 votos a favor do salário mínimo de R$ 545, voltando a cair nas graças da presidente, com quem conversou descontraidamente na quarta-feira, num papo recheado por brincadeiras.

Senadores. No Senado, onde o PMDB tem cinco dissidentes, a orientação é para que não sejam tratados a pão e água, apesar da resistência que ainda têm para votar a favor de projetos do governo. Um deles é Roberto Requião (PR), que votou contra o mínimo de R$ 545, mas disse que em outras propostas ficará com o governo. Requião ganhou a presidência da Comissão de Educação.

Quanto aos outros dissidentes, Luiz Henrique (SC) foi indicado pelo líder Renan Calheiros (AL) para todas as comissões pedidas: Constituição e Justiça, Assuntos Econômicos e Relações Exteriores; Jarbas Vasconcelos (PE) e Pedro Simon (RS) foram para a Comissão de Relações Exteriores; Casildo Maldaner (SC) foi contemplado com posto na CAE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.