1. Usuário
Assine o Estadão
assine


PMs gravam cena de abuso e colocam os vídeos na internet

da Redação - estadao.com.br

11 Novembro 2008 | 16h 01

Em uma das gravações, os policiais pedem que presos cantem; no outro, obrigam dois detidos se beijarem

Policiais militares gravaram cenas de abuso e humilhação com detentos jovens e colocaram no Youtube. De acordo com a assessoria de imprensa da PM em Pernambuco, os vídeos foram feitos em junho do ano passado. Teriam começado a "bombar" na web recentemente. Gravados por policiais militares responsáveis pelas detenções das vítimas, nas ruas, eles mostram dois presos algemados obrigados a se beijarem na boca e outros três, em um camburão, a fazerem coreografia cantando refrões como "eu sou todo feio" e "A Rocam é f.." Rocam é a sigla de Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas da PM.   Veja também: PM de SP faz 'dança da periquita' em vídeo e vira hit na internet  PM da 'dança da periquita' também faz vídeo com mambo     O vídeo do beijo dura 19 segundos. "Bora. Bora. Beija de língua, quero ver a língua", diz a voz de um policial, para depois mandar: "agora diz a Rocam é f..". O da coreografia, em que um policial de costas, levanta os braços movendo para um lado e para o outro, sendo imitado pelos presos só com a cabeça, por estarem algemados, cantando refrões, dura 44 segundos.     Os abusos foram condenados, em nota oficial distribuída nesta terça-feira, 11, pelo Comando da Polícia Militar de Pernambuco, que promete punição aos autores e retirada dos vídeos da Internet. A nota pede às pessoas mostradas nos vídeos que denunciem e ajudem a identificar os policiais e à população que denuncie abusos deste tipo. O Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH) considerou a atitude criminosa, e criticou o abuso de poder e a impunidade.   De acordo com a integrante do MNDH, Ronidalva Melo, o movimento solicitou providências à Ouvidoria do Estado e à Corregedoria da PM e pediu audiência com o Ministério Público estadual e com o governador Eduardo Campos (PSB) com o objetivo de discutir medidas de controle e formas de punir exemplarmente os policiais, se possível, com indenização, em dinheiro, às vítimas.   O comandante da Rocam, capitão Afonso Queiroga, disse ter tomado conhecimento do fato através da imprensa e supõe que alguns dos autores dos abusos já tenham sido afastados da corporação em meio a 90 policiais que foram demitidos quando ele tomou posse, em novembro do ano passado - 45 deles por desvio de conduta. "Quem faz isso (os vídeos) deve ter algum distúrbio, alguma doença", afirmou ele, prometendo investigação rigorosa.   Copiados do Youtube para celulares, muita gente se diverte com os vídeos que indignam a corporação e os defensores dos direitos humanos. O porteiro Robson Gusmão, de 31 anos, está com os episódios no seu telefone celular há cerca de 10 dias e conhece muita gente que fez o mesmo. Alguns amigos copiaram do seu. Ele os olha como divertimento. Embora não aprove a atitude da polícia, "que age contra a lei que deveriam defender", no íntimo ele não desaprova que "marginais e vagabundos que pintam e bordam sem serem punidos" passem por uma humilhação.   Atualizado às 18h11 para acréscimo de informações