1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Polícia diz que cinegrafista foi atingido por rojão de vara

Fábio Grellet - O Estado de S. Paulo

07 Fevereiro 2014 | 18h 11

Artefato é vendido livremente, mas uso depende de autorização; PM diz que não usa esse tipo de explosivo

Atualizada às 19h18

RIO - A Polícia Civil fluminense afirma que foi um rojão de vara o artefato explosivo que atingiu e feriu gravemente o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, durante o protesto contra o aumento das passagens de ônibus realizado na noite desta quinta-feira, 6, na estação ferroviária Central do Brasil, no centro do Rio de Janeiro.

O artefato que feriu o cinegrafista Santiago Andrade não foi lançado por policiais, segundo concluiu a Polícia Civil. "Os artefatos usados pela polícia podem até causar ferimentos, se usados de forma inadequada. Mas não produzem nem luz nem calor semelhantes ao do rojão que explodiu ontem", explicou Elington Cacella, inspetor de polícia, técnico em explosivos e integrante do Esquadrão Anti-Bombas da Polícia Civil do Rio.

 

Peritos do Esquadrão Antibomba recolheram nesta sexta, 7, no local em que Andrade foi atingido, dois fragmentos de plástico preto que afirmam ser parte do artefato que feriu o jornalista. Os peritos fizeram um teste acionando rojões de vara e essas explosões causaram efeito visual idêntico ao que mostram as imagens registradas no momento em que o cinegrafista foi atingido. Esse tipo de artefato é vendido livremente, mas seu uso em local público depende de autorização prévia de autoridade competente, como o Corpo de Bombeiros.

Durante os protestos que começaram em junho passado, tem sido comum o uso desse tipo de rojão, segundo a polícia. Nesta sexta, antes da explosão que feriu Andrade, pelo menos um outro artefato idêntico já havia sido acionado no saguão da estação ferroviária Central do Brasil.

O autor da explosão que feriu o cinegrafista ainda não foi identificado, e a polícia pede que testemunhas do episódio prestem informações, ainda que de forma anônima. Se identificado, o autor será indiciado pelos crimes de explosão e tentativa de homicídio - este último agravado pelo uso de explosivo.