1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Polícia impede demolição de viaduto caído em BH

Alex Capella - O Estado de S. Paulo - Atualizado às 16 horas

06 Julho 2014 | 13h 32

Medida é para que se consiga apurar as circunstâncias da queda da estrutura, que matou duas pessoas e feriu outras 22

BELO HORIZONTE - O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) acatou, neste domingo, 6, recurso do Ministério Público Estadual (MPE), impedindo a demolição do viaduto Batalha dos Guararapes, que desabou na última quinta-feira, 3, na avenida Pedro I, na capital mineira. No recurso, o MPE pede que o local da tragédia seja preservado até o término do trabalho de perícia da Polícia Civil. Os peritos estariam sendo "pressionados" para que o trabalho de retirada dos destroços ocorra o mais rápido possível.

 

Porém, o delegado regional Hugo e Silva, da 3ª Delegacia Regional de Venda Nova, que está à frente das investigações, cobra mais tempo para que a perícia de engenharia legal do Instituto de Criminalística mantenha os procedimentos, visando a elaboração do laudo pericial, com o local inalterado. "A coleta de provas técnicas é importante nesta fase inicial da investigação, assim como a formalização das declarações de envolvidos e depoimentos das testemunhas", afirma o delegado.

 

O promotor Marco Antônio Borges, que entrou na Justiça com o recurso, confirma que o delegado estaria se sentindo "desconfortável" para realizar o trabalho, mesmo com a lei lhe dando o direito de manter o local preservado durante as investigações. "Entrei com o recurso para que a lei fosse cumprida, até porque o delegado pode estar sofrendo algum tipo de pressão. Sendo assim, fica sob a responsabilidade do delegado delimitar a área que poderá ou não ser liberada", disse o promotor.

 

Na noite de sábado, 5, a construtora Cowan, responsável pela obra, havia informado que tinha recebido a autorização para a demolição do viaduto e que o mesmo iria ser feito das 8h às 22h deste domingo. Desde o início da manhã, a construtora Cowan aguarda para iniciar o trabalho de demolição do viaduto. Porém, as máquinas continuam paradas. A Polícia Militar permanece no local para impedir que curiosos entrem na área restrita, que continua totalmente preservada. A tragédia ocorreu na última quinta-feira, 3, no bairro São João Batista, na região de Venda Nova. O desabamento deixou duas pessoas mortas e pelo menos 23 feridos. Primeiras análises apontam que a retirada das escoras que sustentavam o viaduto pode ter provocado a queda. Apenas um dos feridos permanece internado, mas sem risco de morte.