Polícia mata ladrão que mantinha mulher refém em PE

Após duas horas de negociações, bandido foi baleado por ameaçar dar uma facada na vítima, que estava grávida

Marília Lopes, Central de Notícias

15 Março 2011 | 15h24

SÃO PAULO - Um bandido morreu nesta terça-feira, 15, após fazer a funcionária de uma farmácia refém em Garanhuns, em Pernambuco. Depois de cerca de duas horas de negociações, um policial militar atirou no bandido, de 21 anos, quando ele ameaçou dar uma facada na vítima.

Segundo o major da Polícia Militar Abel Ferreira Júnior, que comandou a operação, mesmo com as negociações, o bandido não dava sinais de que iria se entregar. Por isso, a PM deixou um atirador em posição, caso a vítima corresse risco de vida.

"A polícia não tinha intenção de matá-lo. Queríamos que ele saísse vivo e respondesse pelos seus atos dentro dos mecanismos legais, mas quando a vida da vítima esteve em risco, não tivemos escolha", afirma Ferreira Júnior. Segundo o major, a funcionária da farmácia que foi feita refém estava grávida. Ela foi encaminhada ao hospital em estado de choque, mas passa bem.

O bandido foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e morreu a caminho do hospital. Segundo a PM, ele já tinha passagens pela polícia. Outro homem participou do assalto, porém, ao perceber a chegada da polícia, conseguiu fugir.

Mais conteúdo sobre:
ladrão refém morte farmácia PE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.