Polícia paraguaia apreende 52 toneladas de maconha na fronteira com Brasil

Dois brasileiros, suspeitos de estarem a serviço do PCC, foram presos

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

14 Julho 2017 | 21h16

SOROCABA - Uma operação da polícia paraguaia apreendeu e incinerou 52 toneladas de maconha na fronteira com o Brasil, entre a tarde de quinta e a manhã desta sexta-feira, 14. Dois brasileiros, suspeitos de estarem a serviço da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), foram presos. 

Também foram detidos em flagrante onze paraguaios que trabalhavam no processamento da droga. A operação apreendeu duas caminhonetes, uma frota de motocicletas, prensas e armas. A droga apreendida foi avaliada em US$ 1,5 milhão - cerca de R$ 4,8 milhões.

Na primeira investida, cerca de 20 policiais do Departamento Antinarcóticos da polícia paraguaia invadiram uma fazenda em Capitán Bado, na fronteira com a cidade brasileira de Coronel Sapucaia, no Mato Grosso do Sul, e flagraram os paraguaios prensando 15 toneladas de maconha colhida numa área de quatro hectares. 

De acordo com o jornal paraguaio ABC Color, etiquetas achadas no local indicavam que a droga seguiria para o Brasil. Uma caminhonete e armas foram apreendidas. O produtor da maconha, um comerciante de Capitán Bado, teve a prisão decretada.

Em outra ação, agentes da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) apreenderam 10 toneladas de droga prensada e 27 toneladas da erva recém-colhida, numa propriedade de Pedro Juan Caballero, na fronteira com a cidade brasileira de Ponta Porã (MS). 

Os brasileiros Mario Sérgio Gonzales e Elder Ramão da Silva Pereira, que faziam a segurança do local, foram detidos. Conforme a Senad, eles estariam a serviço do PCC, que nos últimos anos intensificou suas ações na fronteira. Foram apreendidas uma caminhonete e 19 motos usadas por paraguaios que trabalham no cultivo da droga.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.