Polícia Militar
Polícia Militar

Polícia prende suspeito de articular ações que mataram um cabo da PM de Macaé

Gerente do tráfico da comunidade Nova Holanda, conhecido como "Renan Café" ou "Cafetão", foi localizado por meio de informações do Disque Denúncia em Rio das Ostras, litoral norte do Rio

O Estado de S.Paulo

13 Janeiro 2018 | 01h29

SÃO PAULO - Em uma operação conjunta entre a Polícia Militar e a Polícia Federal do Rio de Janeiro, os agentes prenderam na noite desta sexta-feira, 12, em Rio das Ostras, um dos suspeitos de articular as ações que resultaram na morte do cabo José Renê Araújo Barros, de 35 anos, em Macaé.

++ Disputa entre traficantes ainda causa tensão em Macaé

Conhecido como "Renan Café" ou "Cafetão", o homem era gerente do tráfico da comunidade Nova Holanda e já tinha mandado em aberto por tráfico de drogas. Ele foi localizado e preso em uma casa no bairro Âncora, em Rio das Ostras, a partir de informações do Disque Denúncia da PF.

Segundo o Comando do 32º Batalhão da Polícia Militar, ao qual o cabo pertencia, a prisão do traficante e de seus comparsas anteriormente desarticula a liderança da facção criminosa que atuava em Nova Holanda, informou a assessoria de imprensa da PM.

++ Em vídeo, criminosos ostentam fuzis e armas de guerra na Maré; veja

José Renê Araújo Barros trabalhava no batalhão da PM de Macaé, cidade no norte fluminense, e foi atingido por um tiro na cabeça na manhã de terça-feira, 9, durante confronto com criminosos na comunidade Lagomar.

"O militar estava em uma operação para reprimir ações criminosas de facções rivais pela disputa de ponto de drogas na comunidade Lagomar, em Macaé. O policial foi ferido e infelizmente não resistiu, falecendo enquanto era socorrido para a unidade de saúde mais próxima", informou nota divulgada pela PM.

Mais conteúdo sobre:
Macaé [RJ] tráfico de drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.