Polícia prende suspeitos de matar padre a facadas em Alagoas

Rapaz de 19 anos disse que religioso o convidou para tomar cerveja e ofereceu R$ 15 por um programa

Solange Spigliatti, da Central de Notícias,

09 Novembro 2009 | 11h08

Dois acusados de assassinar com 18 facadas e pauladas o padre Hidalberto Henrique Guimarães, de 48 anos, pároco da igreja Nossa Senhora das Graças, em Murici, zona da mata de Alagoas, foram presos no domingo por agentes da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), da Polícia Civil.

 

Rafael Timóteo da Silva, de 19 anos, conhecido por "Chiqueque", e o menor J.A.C.S, de 16 anos, foram localizados e detidos no bairro de Ponta Grossa, após uma operação desencadeada por policiais civis, na noite de sábado, 7, logo após o corpo do sacerdote ser encontrado em sua casa, próximo ao Aeroclube, no bairro do Tabuleiro.

 

Segundo depoimento dos suspeitos, eles estariam saindo de um bar, no bairro de Jaraguá, quando o padre ofereceu carona e os convidou para tomarem umas cervejas em um outro estabelecimento no bairro da Jatiúca. De lá, todos teriam ido em um automóvel Fiat Mille, até a casa do religioso.

 

No caminho, já por volta das 2h30, segundo os acusados, ainda pararam no hipermercado Extra, no bairro da Gruta de Lourdes, onde compraram duas caixas de cerveja, cigarros, batatas fritas e amendoins. O menor afirma que teria bebido muito e acabou dormindo, somente acordando com uma grande discussão e luta corporal entre Rafael e o religioso. Segundo ele, o padre já havia sido esfaqueado e ele chegou a desferir várias pauladas na cabeça da vítima.

 

A versão de Rafael é de que, depois de beberem cerveja, o padre lhe teria oferecido R$ 15 para que ele fizesse um programa. Daí teria havido discussão, seguida de luta corporal e do assassinato. Antes de deixarem a cena do crime, os dois rapazes furtaram um aparelho DVD e um tênis pertencente ao padre. Os dois teriam então rumado para casa, no bairro de Ponta Grossa, em um ônibus.

Mais conteúdo sobre:
AL padre crime violencia Murici policia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.