Polícia suíça se recusa a resgatar corpo de brasileiro

Lei do país desobriga autoridades a retirarem corpo que está em um lago desde quarta-feira

Jamil Chade, do Estadão

20 Julho 2007 | 07h57

Uma família brasileira vive um drama único na Suíça. Na quarta-feira, um brasileiro se afogou no Lago de Genebra no início da noite. O brasileiro, cujo nome ainda não foi divulgado pela polícia local, estava em um barco com outros dois amigos. Decidiu pular no lago e não voltou mais à superfície.   O problema é que a polícia suíça se recusa agora a ir buscar o corpo do homem, de cerca de 30 anos, no fundo do lago. O motivo: pela lei suíça, a obrigação da polícia é de resgatar um corpo que esteja a no máximo 30 metros de profundidade. Como o lago tem uma profundidade bem maior - 130 metros - a polícia se recusa a prestar qualquer serviço.   O conselho dado â família é para que contratem um serviço privado de resgate para que busquem o corpo da vítima. "O preço dessa busca pode ser de vários mil dólares, confirmou um agente da polícia ao Estado.

Mais conteúdo sobre:
brasileiro morto na Suíça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.