1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Polícia vai indiciar pai, madrasta e amiga pelo homicídio do menino Bernardo

Elder Ogliari - O Estado de S. Paulo

09 Maio 2014 | 18h 02

Fontes ligadas à investigação confirmam que 'há elementos de crime triplamente qualificado'

PORTO ALEGRE - O pai, a madrasta e uma amiga da madrasta, suspeitos de envolvimento no assassinato do menino Bernardo Boldrini, de 11 anos, serão indiciados por homicídio, mas a Polícia Civil ainda não estabeleceu qual foi a responsabilidade de cada um na execução do suposto plano, na omissão de informações e na ocultação do cadáver. Fontes ligadas à investigação confirmam que "há elementos de crime triplamente qualificado", ressalvando, no entanto, que falta definir se essa acusação será feita contra todos ou contra parte dos acusados.

O cruzamento de informações colhidas em depoimentos, documentos, gravações e laudos de perícia, que a polícia faz nos próximos dias, deve esclarecer se o crime tem agravantes como planejamento prévio, motivo fútil, execução com frieza de vítima indefesa, aplicação de injeção letal, ocultação de cadáver e omissão de informações. Também deverá ser esclarecido quem fez o que em cada etapa da trama.

O inquérito será concluído na terça-feira, mesmo dia em que vence o prazo da prisão temporária do pai de Bernardo, o médico Leandro Boldrini, da madrasta, a enfermeira Graciele Ugulini e da assistente social Edelvânia Wirganovicz. A polícia não descarta pedir a prisão preventiva, que tem tempo indeterminado.

Pelas informações já divulgadas pela polícia, Bernardo acompanhou a madrasta em viagem de Três Passos, onde a família mora, a Frederico Westphalen, a 80 quilômetros, no dia 4 de abril. Na cidade vizinha, câmeras de segurança captaram imagens de Graciele embarcando em um automóvel com Edelvânia e Bernardo e das duas voltando sem o garoto. O corpo foi encontrado enterrado em meio a um matagal no dia 14.

O pai alega inocência e anunciou, por seus advogados, que pedirá separação da madrasta. A enfermeira disse que o garoto morreu por ingestão "acidental" de calmantes que deu a ele e isentou o médico de culpa. A defesa sustenta que a assistente social não participou do "evento morte", mas admite que ela ajudou a ocultar o cadáver.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo