Policiais mantém as próprias famílias em cárcere privado em MG e DF

Agente afastado em Riacho Fundo II prendeu parentes por 5 horas; em Matozinhos, PM reformado ameaçou 5

Priscila Trindade, Central de Notícias

25 Outubro 2010 | 09h59

SÃO PAULO - Dois policiais mantiveram familiares em cárcere privado durante a madrugada desta segunda-feira, 25 - um numa cidade-satélite do Distrito Federal e outro em um município da Grande Belo Horizonte, em Minas Gerais.

 

Em Matozinhos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, um PM reformado fez a família refém por cerca de duas horas nesta madrugada. Segundo informações da Polícia Militar, ele começou a ameaçar cinco pessoas da família por volta da 1 hora, quando chegou em casa bastante exaltado. Entre elas estavam a mulher dele, de 33 anos, e uma das filhas do casal.

 

As vítimas ficaram trancadas dentro de um dos quartos da casa. O homem, de 38 anos, chegou a realizar disparos de arma de fogo dentro da casa, mas ninguém ficou ferido.

 

A corporação enviou seis viaturas para o local para negociar a rendição do PM. A família foi liberada às 3 horas e o homem continuou dentro do imóvel. Às 6 horas, a polícia invadiu a residência. O agressor foi encontrado inconsciente em cima da cama. Segundo a PM, ele cortou um dos pulsos e foi levado para o Pronto Atendimento de Pedro Leopoldo.

 

Foram apreendidos na casa uma arma de chumbo e munição para revolveres de diversos calibres. A PM afirmou que o homem tem distúrbios mentais. Ele teria sido aposentado da polícia por causa da doença. 

 

Capital federal. Em Riacho Fundo II, próximo a Brasília, um policial militar manteve a mulher e os filhos em cárcere privado após uma briga de família. Os parentes foram mantidos dentro de casa das 3h da manhã até por volta das 9h20.

 

A polícia foi acionada e cercou o local para negociar a libertação das vítimas. Não há informação sobre feridos. Segundo a PM, o homem está afastado das funções por problemas de alcoolismo. Ao se entregar, os agentes perceberam sinais de embriaguez.

 

Atualizado às 11h39 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.