Policiais são indiciados por tentativa de homicídio por atirar contra carro de juiz no Rio

Perícia confirmou que disparos partiram dos fuzis dos agentes que faziam blitz na estrada Grajaú-Jacarepaguá

Talita Figueiredo, de O Estado de S.Paulo, e Pedro da Rocha, da Central de Notícias,

06 Outubro 2010 | 20h06

RIO - A Polícia Civil do Rio indiciou nesta quarta-feira, 6, os dois agentes acusados de ter disparado contra o carro do juiz federal do trabalho, Marcelo Alexandrino da Costa Santos, no último sábado na estrada Grajaú-Jacarepaguá, na zona oeste da cidade. Em nota, a polícia informa que a perícia feita pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) confirmou que as balas que atingiram o magistrado e as duas crianças que estavam com ele partiram do fuzil que estava com o policial Bruno Rocha Andrade.

 

O juiz passava na autoestrada e retornou com o carro ao ver a blitz, achando que era feita por bandidos. Os policiais então atiraram, atingindo o magistrado, o filho dele e a enteada. A primeira versão dos agentes era a de que os tiros teriam partido de bandidos que estavam em um veículo fugindo da parada policial.

 

Andrade e seu companheiro, Bruno Souza da Cruz, foram indiciados por tentativa de homicídio pela Corregedoria Interna do órgão. Ambos já haviam sido afastados, assim como outros seis agentes que trabalhavam na blitz no início da semana. Em nota, a Polícia Civil diz que os dois agentes foram indiciados por ter disparado contra o Honda Civic do juiz e "ter mentido ao afirmar que ouve troca de tiros com os ocupantes" do veículo.

 

Comunicado. Em nota divulgada pelo hospital onde ele está internado, Santos afirmou que "nada há de mais aterrador do que a imagem de um agente público, que de nós deveria cuidar, disparando arma de fogo, com a intenção de matar, contra um casal de bem e suas crianças inocentes apenas para satisfazer seu desejo de exibir um poder que, fora dos limites legais, simplesmente não existe". O juiz agradeceu a solidariedade de todos e pediu orações para sua família.

Santos continua internado no Hospital Pasteur. Ele foi atingido no tórax e seu estado de saúde é estável. A enteada e o filho continuam na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Cardoso Fontes e o estado de saúde deles é grave.

 

Atualizado às 20h18 para acréscimo de informações

Mais conteúdo sobre:
violência Rio blitz polícia juiz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.