1. Usuário
Assine o Estadão
assine

População no Brasil chega a 202,7 mi, diz IBGE

REUTERS

28 Agosto 2014 | 11h 45

A cidade de São Paulo continua sendo a mais populosa do Brasil com 11,9 milhões de pessoas

A população brasileira chegou a 202,7 milhões de habitantes este ano, um crescimento de 0,8 por cento em relação a 2013, de acordo com estimativa do IBGE divulgada nessa quinta-feira.

A estimativa tem como base o mês de julho deste ano, mas dados mais atualizados e publicados diariamente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que a população brasileira já supera os 203 milhões de habitantes.

A cidade de São Paulo continua sendo a mais populosa do Brasil com 11,9 milhões de pessoas, seguida por Rio de Janeiro (6,5 milhões) e Salvador (2,9 milhões de reais).

Segundo o IBGE, os 25 municípios mais populosos do Brasil somam 51 milhões de habitantes, o equivalente a mais de 25 por cento da população nacional.

O cálculo da população é usado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) como um dos critérios para a distribuição  de recursos dos Fundos de Participação de Estados e Municípios.

Excluindo as capitais, as cidades mais populosas são Guarulhos (1,3 milhão), Campinas (1,1 milhão), São Gonçalo (1 milhão), Duque de Caxias (878.000) e São Bernardo (811.000).

As cidades brasileiras de menor população são Serra da Saudade, em Minas Gerais, com 822 pessoas, Borá, em São Paulo, com 835 habitantes, e Araguainha (MT), com 1.000 habitantes.

De acordo com o IBGE, a região metropolitana de São Paulo conta com 20,9 milhões de pessoas ( 10,3 por cento do total do país), Rio de Janeiro com 11,9 milhões de habitantes (5,9 por cento do total) e Belo Horizonte com 5,7 milhões de pessoas (2,8 por cento).

A estimativa aponta que os municípios de médio porte, com população entre 100.000 e 500.000 pessoas, foram os que mais cresceram ante 2013, com alta de 1,12 por cento. As cidades com mais de 500.000 pessoas avançaram 0,84 por cento e as cidades com até 100.000 cresceram apenas 0,72 por cento.

(Por Rodrigo Viga Gaier)