Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Porta-voz de Temer oficializa criação do Ministério da Segurança por medida provisória

Alexandre Parola anuncia nova pasta sob o comando do hoje titular da Defesa, Raul Jungmann

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2018 | 11h34

BRASÍLIA - O porta-voz da presidência da República, Alexandre Parola, oficializou nesta manhã de segunda-feira, 26, a criação - via medida provisória - do Ministério Extraordinário da Segurança Pública e a nomeação de Raul Jungmann para comandar a nova pasta.

"O presidente Michel Temer edita hoje a medida provisória que cria o Ministério Extraordinário da Segurança Pública", informou Parola, confirmando o nome de Jungmann e o nome do secretário-geral da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, para assumir a Defesa.

Neste momento, segundo apurou o Estado, Jungmann está organizando e discutindo a criação da nova pasta e montando a equipe que passará a comandar. A previsão é de que a posse seja amanhã.

+++ Jungmann diz que há 'falsa polêmica' sobre mandados coletivos

Para o lugar de Jungmann no Ministério da Defesa assumirá o general Joaquim Silva e Luna, atual secretário-geral da pasta. É a primeira vez que um militar assume como ministro da Defesa. Segundo fontes, a tendência é de que o presidente Michel Temer mantenha o general da reserva no cargo.

O texto da MP foi fechado em reunião de domingo, 25, no Palácio do Jaburu entre o presidente Michel Temer e ministros. Na semana passada, Temer chegou a cogitar a criação da pasta por meio de um decreto, o que, segundo fontes do Planalto, evitaria a necessidade de apoio do Congresso. Além disso, Temer ganharia o discurso de que, com a pasta criada via decreto, não seria criada uma nova estrutura de cargos, sem gerar mais custos para o governo.

+++ Temer ignorou Conselho ao decidir intervir no Rio

Agora com a decisão de criar a pasta via MP, também já foi anunciado que serão criados os cargos de ministro, secretário e nove cargos de assessoria. Apesar disso, haverá um remanejamento de alguns servidores da Justiça para a nova pasta. Ontem, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, confirmou que a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e a Secretaria de Segurança Pública (inclui a Força Nacional) ficarão subordinados ao novo ministério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.