1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Porto Velho, uma capital 'engolida' pelo rio

Pablo Pereira, Enviado especial - O Estado de S. Paulo

22 Março 2014 | 17h 24

Com regiões submersas, Rondônia já tem 4 mil desalojados; situação ainda vai piorar

PORTO VELHO - As águas do inverno amazônico, que provoca cheia histórica no Rio Madeira, atingiram na manhã deste sábado a marca recorde de 19,40 metros em Porto Velho, capital de Rondônia. Na sexta-feira, a Sala de Situação da Defesa Civil do Estado havia registrado 19,36 metros. Uma dezena de bairros da cidade tem ruas alagadas e vilas ribeirinhas inteiras foram engolidas pelo rio, desalojando cerca de 4 mil pessoas na região. E o quadro ainda deve se agravar nas próximas duas semanas.

A previsão de ampliação da crise no Madeira é de relatório do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), de Porto Velho, finalizado na manhã de sexta-feira. "Chuvas volumosas são esperadas, principalmente em Rondônia, no Mato Grosso e nas áreas a leste dos Andes peruanos e bolivianos, pelo menos até o próximo dia 23 (hoje)", diz estudo do Centro Gestor e Operacional do Sipam, que subsidia as ações da Defesa Civil.

A notícia de que mais água deve elevar a medição, registrada todos os dias às 7 horas, preocupa a Defesa Civil e provoca apreensão nos moradores, que desde o Natal estão sofrendo com a cheia. No dia 15 de fevereiro, a água bateu na marca de 17,57 metros, superando o registro de 1997, de 17,52 metros. Com a expectativa de mais chuvas na bacia do Madeira, formada principalmente pelos Rios Mamoré e Guaporé, mais o Beni, na Bolívia, técnicos do Sipam trabalham com a possibilidade de a medida chegar a 19,50 metros.

De acordo com Ana Cristina Strava Corrêa, coordenadora operacional do Sipam, que é vinculado ao Ministério da Defesa, as chuvas que em outros anos se formavam quando a umidade da Amazônia, empurrada por ventos do Atlântico, chegavam à Cordilheira dos Andes e, de lá, baixavam na direção do Sudeste e Sul do Brasil, chegando a São Paulo, Paraná, Santa Catarina, desta vez caíram antes. "Estão na área da Bolívia, formadora da bacia do Madeira", explicou a técnica. A bacia do Madeira mede 1 milhão de metros quadrados.

Com dados do satélite TRMN, da Nasa, ela apontou ainda a existência de outros fenômenos climáticos locais que coincidem com a migração de massas úmidas, conhecida pelos especialistas como "Rios Voadores". Daí o volume recorde de água na região desde outubro, que até a primeira quinzena de abril ainda deve elevar o nível do rio e espalhar suas margens por até 5 quilômetros mata a dentro.

É tanta água descendo que, de quarta para quinta-feira a medição mostrou uma rápida elevação: 10 centímetros em 24 horas, segundo o tenente coronel Demagli Farias, um dos líderes da operação especial da Defesa Civil em Porto Velho. Farias, que trabalhava na construção de um acampamento com 180 barracas de lonas para desabrigados, cada uma com capacidade para abrigar até 10 pessoas, no parque dos 3 Tanques, no bairro Nacional, disse que a expectativa é a de que o rio somente se estabilize "a partir do dia 15". "O que estamos vendo hoje em Porto Velho é a chegada das águas que caíram há cinco dias na Bolívia", declarou o militar.

Somente na capital, há cerca de 400 famílias vivendo em escolas e ginásios. E, com as águas subindo, todo dia as equipes de bombeiros e voluntários resgatam mais moradores isolados. "Precisamos desocupar as escolas para que as crianças da rede possam ter aulas", disse o coronel. "E podemos armar mais 180 barracas", informou Farias.

Especialista culpa a barragem; empresa nega impacto

A enchente do Madeira poderia ser controlada se a Usina Santo Antônio, construída na curva do rio que antecede a cidade de Porto Velho, tivesse feito diques. A opinião é do físico Artur Moret, da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), um crítico da obra da hidrelétrica local. De acordo com ele, os diques não foram construídos "por contenção de custos". E acusa a Santo Antônio Energia de não ter estudos de impacto de vizinhança, que poderiam prever o comportamento anormal do rio em cheias.

"Em relação à barragem, as chuvas acabaram provocando dois problemas", afirmou. O primeiro está na área acima da barragem, que teve o lago estendido pela cheia provocando alagamentos que chegam à BR 364 e interrompendo o tráfego de veículos para o Acre. Outro ponto, segundo Moret, é o efeito da barragem abaixo da obra, ou seja, o remanso na área de Porto Velho, enchendo igarapés e bairros em que a água não chegava antes.

Procurada, a Santo Antônio Energia disse que as críticas que relacionam a empresa à enchente não fazem sentido.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo