Divulgação
Divulgação

Prefeito de Guarapari quer barrar turista 'pobre'

Prefeitura vai cobrar taxas de empresas de ônibus e de proprietários que alugam casas de veraneio para 'qualificar' o turismo na cidade

Alex Capella, Especial para o Estado

18 Dezembro 2014 | 12h54

BELO HORIZONTE – Se você não tem condição de gastar R$ 200 por dia, não será bem recebido no balneário de Guarapari, destino para milhares de turistas, principalmente mineiros, que escolhem o Espírito Santo para passar as férias de verão. O prefeito Orly Gomes (DEM) confirmou, nesta quinta-feira, 18, que a prefeitura vai cobrar taxas das empresas de ônibus e dos proprietários que alugam suas casas de veraneio para “qualificar” o turismo na cidade e dificultar a entrada de turistas com “menor” poder aquisitivo.

O prefeito alega que as medidas são necessárias para justificar os investimentos feitos na cidade pelo poder público e pela própria iniciativa privada. Gomes chega a afirmar que turistas que gastam menos de R$ 200 por dia na cidade não são capazes de fomentar restaurantes, bares e hotéis e ainda causam transtornos aos visitantes mais “qualificados”. “Precisamos de pessoas que venham com dinheiro para gastar. Seria melhor ter 100 mil turistas que gastassem R$ 200 por dia do que 1 milhão gastando apenas R$ 40,00/dia”, afirma.

Questionado se as medidas polêmicas não podem afastar os turistas da cidade e até gerar processos contra a prefeitura, o prefeito diz que outros balneários usam de expedientes semelhantes para normatizar o turismo nas cidades. Segundo ele, o turista “qualificado” não pode ser prejudicado em função daquele que gera apenas excesso de lixo, aumento no consumo de água e estrangulamento no transporte público. “Não quero só turista rico. Quero turista que gere receita. Para que a cidade sobreviva, preciso de um turista que gere renda”, reclama. 

O prefeito acredita que a cidade irá receber, entre o feriado de Natal e o Carnaval do próximo ano, mais de 1 milhão de turistas. “Tem turista que traz até botijão de gás, pacote de macarrão e recolhe latinha de cerveja para vender. Em uma casa que cabem 10 pessoas, ficam até 30. É isso que causa a falta de água, o excesso de lixo. Por isso, temos de normatizar a atividade turística na cidade”, ressalta. 

Mais conteúdo sobre:
Guarapari

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.