Arteris Régis Bittencourt/Divulgação
Arteris Régis Bittencourt/Divulgação

PRF registra queda de 31% no número de mortos em rodovias federais durante o carnaval

Período foi o menos violento dos últimos quatro anos, com 103 mortes neste carnaval ante 150 em 2017

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2018 | 00h42
Atualizado 16 Fevereiro 2018 | 00h45

SÃO PAULO - A Polícia Rodoviária Federal registrou queda no número de mortes nas rodovias federais durante a Operação Carnaval 2018, em que o policiamento é reforçado em trechos e horários críticos.

Na operação, que ocorreu entre sexta-feira, 9, e quarta-feira, 14, foram contabilizados 103 mortes decorrentes de acidentes de trânsito ante 150 no ano passado, uma redução de 31%. O balanço final foi divulgado nesta quinta-feira, 15, pela corporação.

Segundo os dados, houve também diminuição no número de acidentes graves. Neste ano, a corporação registrou 290 ocorrências contra 346 em 2017 (-16%). Em 2016, foram 404 ocorrência e, em 2015, 418, o que a PRF classifica como o carnaval menos violento dos últimos quatro anos.

As equipes da PRF fiscalizaram 176.486 veículos, tendo autuado 1.610 motoristas por embriaguez. Ao todo, 172 pessoas foram presas por alcoolemia, número 24% menor do que em 2017, quando as equipes prenderam 226 pessoas.

Quanto às ultrapassagens irregulares, os policiais contabilizaram uma leve queda de 15% em relação ao mesmo período do ano passado. "Mas ainda mostra uma frequência muito grande de um comportamento que pode definir a ocorrência de um dos acidentes mais letais, que é a colisão frontal", afirmou a PRF no levantamento parcial divulgado um dia antes.

A fiscalização focou nas principais condutas irregulares e associadas com o maior número de acidentes, como ultrapassagens irregulares, excesso de velocidade, mistura de álcool e direção e falta de equipamentos de segurança.

O reforço no policiamento ocorreu em pontos e horários críticos (sexta-feira, sábado, terça e quarta), especialmente em Minas Gerais, Santa Catarina e Bahia onde, no carnaval de 2017, foram registradas 30% do total de mortes.

Rodovias paulistas

Parte da redução das ocorrências também foi registrada no balanço final nas rodovias federais do Estado de São Paulo, com queda de 19% dos acidentes e 29% dos acidentes graves. O número de mortos foi igual nos dois anos: dois. Houve aumento, porém, de 20% nas autuações por embriaguez, sendo que neste ano foram 66 ante 55 de 2017.

As quatro mortes registradas neste ano ocorreram por atropelamento de pedestre (dois), colisão frontal (um) e colisão traseira (um). As causas destes acidentes foram falta de atenção à condução, falta de atenção ao pedestre, ultrapassagem indevida e velocidade incompatível.

Neste ano, a PRF de São Paulo contou com um efeitvo 10% menor em relação ao ano anterior, o que reduziu o número de equipes disponíveis para o policiamento.

"A PRF entende que as diversas medidas adotadas recentemente com vistas a aumentar  segurança do trânsito, como a adoção de faróis acesos durante o dia, aumento do valor das multas e do tempo de suspensão da carteira de habilitação e aumento da pena para condutores embriagados que causam acidentes com feridos ou mortos, tiveram relevante impacto na redução da quantidade de acidentes", disse a corporação no balanço divulgado.

Dicas de segurança

Para se deslocar pelas rodovias federais, a PRF dá algumas orientações aos motoristas para uma viagem mais segura:

Planejamento da viagem – O motorista deve se informar sobre as distâncias que vai percorrer, condições do tempo, pontos de parada, existência de postos de combustíveis e de restaurantes à beira da estrada. Não esquecer documentação pessoal e do veículo;

Revisão preventiva – Providenciar a checagem do automóvel mesmo para pequenas viagens. Faróis acesos para ver e ser visto; pneus calibrados e em bom estado; motor revisado, com óleo e nível da água do radiador em dia. Não esquecer de verificar a presença e estado dos equipamentos de porte obrigatório, principalmente pneu estepe, macaco, triângulo e chave de roda, além dos limpadores de parabrisa e luzes do veículo; 

Pausas para descanso – O condutor deve programar paradas a cada 3 horas. Quem se expõe a muitas horas dirigindo fica sujeito ao fenômeno da "hipnose rodoviária", na qual se mantém de olhos abertos, mas sem percepção da realidade à sua volta. Ela vem acompanhada de sonolência, perda de reflexos e de força motora; 

Previsão do tempo – Procurar se informar sobre as condições do tempo nos lugares por onde vai passar. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) disponibiliza gratuitamente informações sobre o clima;

Atenção redobrada – Observar as placas que indicam os limites de velocidade e as condições de ultrapassagem. Nos trechos em obras, o motorista deve reduzir a velocidade e obedecer a sinalização local;

Descanso – Durma bem antes de qualquer viagem de automóvel. O sono e o cansaço são grandes inimigos de uma viagem segura;

Cinto de segurança – Use sempre o cinto de segurança, este equipamento é obrigatório para todos os ocupantes do veículo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.