Prioridade é cuidar dos reféns, diz governador do RS

Nove pessoas estão sob domínio de bandidos que invadiram fábrica de joias em Cotiporã

Tássia Kastner e Lucas Azevedo, O Estado de S. Paulo

30 Dezembro 2012 | 14h10

Texto atualizado ás 17h20

PORTO ALEGRE - O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, afirmou neste domingo, 30, que a prioridade é garantir da segurança dos reféns em Cotiporã, a 169 km da capital gaúcha, após reação da polícia ao assalto a uma fábrica de joias no município. "Este é o momento mais importante da operação. A prioridade das prioridades é cuidar da vida dessas pessoas que ainda estão desaparecidas", disse em entrevista à Rádio Gaúcha.

O ataque em Cotiporã ocorreu na madrugada deste domingo, e fez reféns os moradores da região. Durante a fuga, a polícia interceptou o comboio de 8 bandidos. Três assaltantes foram mortos, dentre eles o foragido mais procurado do Estado, Elisandro Rodrigo Falcão. Nove pessoas seguem com os outros criminosos que participaram do assalto, incluindo uma criança. Dois policiais militares foram feridos.

"Vamos sacrificar qualquer solução em benefício da vida dos reféns", disse Tarso. O secretário estadual de Segurança Pública, Airton Michels, está se deslocando para o município de Cotiporã, de onde acompanhará o desfecho do caso. Cerca de 200 policiais trabalham na busca, com apoio de um helicóptero e de cães farejadores.

Segundo o governador, a reação da polícia ao assalto faz parte de uma ação de cerco aos criminosos que têm atacado caixas eletrônicos no Rio Grande do Sul com explosivos.

Fortemente armados com fuzis, os assaltantes conseguiram destruir três portas blindadas, um cofre e dois armários de alta segurança da fábrica, de onde levaram mercadoria avaliada em 300 mil reais. A polícia recuperou parte do maerial roubado.7

Mais conteúdo sobre:
Reféns assalto fábrica RS Tarso Genro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.