1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Professores protestam em hotel de delegação da seleção brasileira

Marcio Dolzan e Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

26 Maio 2014 | 10h 31

Cerca de 150 profissionais de educação cobram melhores condições de trabalho e criticam os gastos excessivos na Copa

Atualizado às 11h00

RIO - Cerca de 150 professores protestam em frente ao Linx Hotel, próximo ao Aeroporto Internacional do Galeão, na Ilha do Governador, zona norte do Rio de Janeiro, na manhã desta segunda-feira, 26. Os integrantes da delegação da seleção brasileira, entre eles 22 convocados pelo treinador Luiz Felipe Scolari, encontravam-se no hotel, de onde seguiram para a Granja Comary, em Teresópolis, na região serrana do Estado do Rio, onde fica o centro de treinamento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Os manifestantes seguram faixas com dizeres como "A educação parou" e colaram nas camisas adesivos onde se lê "Greve Unificada da Educação". Os professores das redes de ensino estadual e municipal estão em greve desde o último dia 12. Eles protestam por melhores condições de trabalho e contra os gastos excessivos na Copa do Mundo. A manifestação começou às 10h, horário previsto para a saída do ônibus da delegação, que saiu por volta das 10h30.

Os manifestantes bloquearam a Avenida 20 de Janeiro, que dá acesso ao aeroporto, e, por isso, o ônibus precisou ser desviado. Às 11h, eles seguiam protestando na via, que permanecia fechada.

A professora de português da rede estadual de ensino do Rio, Andreia Vieira, afirmou que os protestos demonstram que a população não apoia o mundial. "É importante desmistificar esse conceito de 'não vai ter Copa'. É um grito de protesto. Ela vai acontecer, mas não é uma Copa do povo".

Até o momento, dez veículos do Batalhão de Choque acompanham a manifestação, que segue pacífica.